A alienação

A alienação

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sobre o surgimento da "mente revolucionária" na humanidade e o início do socialismo moderno.

Olavo de Carvalho dá como origem da "mente revolucionária" idealista um período de 500 anos atrás, e como causas coloca coisas insustentáveis como "paganismo" e "darwinismo"... o que está em completa oposição aos primeiros socialistas do século XIX que eram cristãos.
A não ser que Olavo classifique Saint Simon, Albert de Mun, Maurice, Kingsley, Hughes, Furnivall, Ballou, Lamennais, Bellamy e Weitling como sendo pagãos !

Olavo esquece na sua análise que muito antes disso existiu Platão e a sua "república", onde existiria uma "cidade perfeita" comandada por sábios intelectuais.
Platão inclusive foi para Siracusa junto com seu pupilo Dion para implantar na prática a sua cidade perfeita.
Essa evidência histórica não fui eu que descobri.... isso foi Nietzsche que identificou e descreveu em detalhes.

Olavo também esquece que Santo Agostinho, um seguidor da filosofia de Platão, seguiu a risca o mestre e projetou a "cidade de deus", que também seria um local perfeito da mesma forma que a "república" de Platão pretendia ser.

Acredito que Olavo pratique essa omissão por razões religiosas, quer dar um "conceito ateu" ao socialismo...

Mas essa intenção é tendenciosa e se afasta muito da verdade uma vez que ignora todas as demais tendências socialistas que existiram e se fixa apenas no socialismo/comunismo marxista ateu.

E mesmo este, o marxismo, aqui mesmo no Brasil e por toda a América Latina não é sempre ateu, pois a teologia da libertação, fortemente ativista por toda AL, é cristã e marxista.


Sobre "darwinismo".

Sobre o termo "darwinismo" a intenção por trás dele está carregada de má fé.
Colocar um "ismo" em Darwin é uma ignorante maledicência que quer transformar ciência em ideologia para vulgo e ignorante povo.

Darwin não subiu em nenhum palanque, coreto ou montanha para fazer discurso ideológico.

Darwin não fez teoria filosófica improvável como Platão que supõe um "mundo das idéias" de onde tudo emana, Darwin não fez como Marx que disse que a história é determinista e luta de classes sem jamais demonstrar empiricamente a validade disso.
Darwin não criou crenças ou dogmas indemonstráveis a serem seguidos - Darwin fez ciência - Darwin demonstrou empiricamente com evidências físicas, fósseis, e uma variada gama de amostragens, a sua argumentação fundamentada em pesquisa científica da sua Teoria da Evolução das Espécies.

Então, não existe nenhum "ismo" após o respeitado nome do cientista e naturalista Charles Darwin, e todos aqueles que o quiserem colocar no meio de ideologia para defenderem princípios que não se sustentam diante da verdade fatual e histórica estão usando de má fé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário