A alienação

A alienação

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A guerra civil na Síria e a hipocrisia ocidental


Notícia no ESTADÃO
04 de fevereiro de 2012 | 10h 46

Ataque mata mais de 200 pessoas na Síria antes de votação da ONU

As forças sírias mataram mais de 200 pessoas em um ataque na cidade de Homs, disseram ativistas, no dia mais sangrento de onze meses de levantes contra o presidente Bashar al-Assad, antes da votação de uma resolução da ONU, neste sábado, pedindo que Assad deixe o poder.

A Liga Árabe, a Europa e os Estados Unidos estão tentando persuadir a Rússia, que tem poder de veto e é aliado de Assad, a deixar que o Conselho de Segurança aprove uma resolução que apoia um pedido árabe para que Assad transfira os poderes a um vice.
Moscou disse que a aprovação da resolução sem emendas podia significar "tomar lado em uma guerra civil".

O número de mortos citados por ativistas e grupos da oposição variava de 217 a 260, tornando o ataque a Homs o mais fatal até agora na repressão de Assad aos protestos e um dos episódios mais sangrentos na "Primavera Árabe" de revoltas que varreu a região.

.......

http://www.estadao.com.br/noticias/geral,ataque-mata-mais-de-200-pessoas-na-siria-antes-de-votacao-da-onu,831381,0.htm

Cenário da "primavera árabe"


Comentário:

EUA, França e ONU seguem com a ação de intervenção direta em países soberanos...

Os "ativistas" sírios estão muito bem armados e organizados da mesma forma que os "manifestantes" líbios estavam, de forma alguma tais "ativistas" são pessoas comuns fazendo protesto pacífico, não, são milicianos muito bem armados tentando tomar a força posições dentro da Síria.

Temos ai uma foto dos "pacíficos ativistas" na Síria voltando de uma das suas manifestações pacíficas.

"ativistas" sírios que empreenderam o ataque e a tomada de posições na capital síria, Damasco.
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2272279&seccao=M%E9dio%20Oriente

Acima temos "ativistas" do chamado "exército livre sírio".

http://exame.abril.com.br/economia/politica/noticias/exercito-livre-sirio-muda-estrategia-e-anuncia-ofensiva-contra-regime-3
http://noticias.r7.com/internacional/noticias/disparos-de-forcas-leais-ao-regime-de-damasco-matam-38-pessoas-na-siria-20111217.html

Na Síria, como a Rússia afirmou, existe uma guerra civil, e como os russos também afirmaram, a ONU fazer uma resolução contra o governo sírio é tomar partido em uma guerra civil...
Isso qualquer pessoa consciente sabe, mas a hipocrisia dominante na ONU e no mundo ocidental faz vistas grossas e continua a sua ação intervencionista.

Quem está armando e sustentando financeiramente a ação dos "ativistas", ao que tudo indica, é quem a está defendendo como ação lícita de cidadãos em "protestos", ou seja - EUA, França e ONU...

Porém, existe um mistério por trás disso...
O Irã não está se manifestando, nada diz, e a Liga Árabe não sai em defesa do governo, mas sim, se coloca ao lado dos "ativistas".... isso é um fato inédito no Oriente Médio !
Existe um motivo para que Irã e Liga Árabe estejam concordando com essas mudanças nas nações árabes - todas elas vão se tornar repúblicas islâmicas !
Isto é um fato já em andamento na Tunísia, Líbia e Egito.
Em vista desses fatos pode ser que quem esteja financiando a "primavera átabe" seja o Irã e demais radicais islâmicos independentes.


A pergunta mais intrigante que se pode fazer é - por que EUA, França e ONU estão se colocando nesta posição que claramente irá redundar, não em democracias, mas sim, em repúblicas islâmicas ?
E mais ainda, irá redundar em uma crise sem precedentes entre islâmicos e Israel ?
- Uma das respostas que encontrei é que as nações ocidentais ficaram idiotas, setenta anos de marxismo cultural transformaram os governantes ocidentais em estúpidos politicamente corretos que não conseguem mais ver a realidade.

Porém, os "intelectuais" socialistas por trás dos politicamente corretos não tem escrupulos, ética e moral é coisa de burguês, eles vão apelar.
Vuu colocar aqui uma previsão até fácil de ser feita!
Daqui uns temos, 1 ano ou pouco mais, quando a campanha anti Síria estiver chegando a exaustão, irá acontecer um ataque com armas químicas e os "rebeldes" acusarão o ditador de o ter praticado, essa acusação terá amplo apoio dos EUA e França, e da midia alienada politicamente correta que perdeu a capacidade de pensar, esse será o "motivo nobre" para que possam bombardear a Síria sem repúdio da opinião pública mundial.

Como se desenvolve o desenrolar dos acontecimentos ?

O modo de ação na Síria está sendo semelhante ao que já ocorreu em outras nações árabes, começa com um pequeno protesto na nação, segue com outros protestos já um pouco mais agressivos, o governo reprime porque se não reprimir quebram tudo, as agências de notícias internacionais começam a falar em desrespeito a direitos humanos, em seguida os "ativistas" aparecem com armas e atacam, mas isso não é jamais dito na midia mundial, isso é apenas visto em vídeos e fotos colocadas na Internet, a midia internacional apenas relata que mais protestos foram feitos e reprimidos, organizações de direitos humanos começam a acusar o governo de abusos contra direitos humanos, quase sempre é dito que o governo matou crianças, em seguida EUA (Obama), França (Sarcozy) e ONU começam a se pronunciar, os "protestos" aumentam e o número de mortes também, a situação explode em violência, e se for necessário, como foi na Líbia, começa a atuação do EUA e Fança na ONU para intervir na nação.
O caso da Síria está mais complicado do que na Líbia porque a Rússia e a China resolveram agir e ameaçam vetar a aprovação da resolução da ONU, a luta atual é para vencer essa resistência da Rússia e China - a arma usada pelos "defensores dos oprimidos do mundo" é sempre os "direitos humanos" e a defesa de "civis inocentes", se conseguirem convence-los é muito provável que a OTAN ataque novamente, agora na Síria...

É um jogo esquisito este que está se desenrolando no Oriente Médio.

Em vista do mutismo do Irã em todos os episódios (Tunísia, Egito, Líbia) e dá aprovação pela Liga Árabe da ação dos "ativistas" o que pode-se deduzir é que a mudança interessa ao Irã (quem cala consente) e ao grupo que tomou o poder na Liga Árabe, que tem sua sede no Cairo, Egito, e tem como secretário-geral atual Amr Moussa, que é egípcio, muçulmano, e já se posicionou contra Israel e EUA na questão palestina e já foi motivo de ação na Internet com milhares de assinaturas para que ele fosse candidato a presidente do Egito.
Se a Síria cair caem em seguida o Líbano e a Jordânia, restarão o Iraque, que já está em guerra civil a tempos, e a Arábia Saudita...
Amr Moussa

Talvez, quando tais nações árabes concretizarem o poder como repúblicas islâmicas as nações ocidentais se dêem conta da estúpida posição que defenderam, mas, com certeza será tarde e estarão com um enorme problema nas mãos - um Oriente Médio islâmico em volta de um acuado estado judeu.



***

Texto relacionado este:

Seria prudente o Ocidente perceber a realidade da "primavera árabe" - a mantra de "eleições livres" em árabe não se traduz como "democracia"


http://comentriossobreacontecimentosmundiais.blogspot.com.br/2012/08/seria-prudente-o-ocidente-perceber.html


***

NOTÍCIA MAIS RECENTE
05/09/2012 - 08h21
Chegou hora de mudança política na Síria, diz presidente do Egito
DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O presidente do Egito, Mohamed Mursi, disse nesta quarta-feira que chegou a hora de mudança de governo na Síria, que passa por confrontos entre opositores e a ditadura de Bashar Assad há um ano e meio.

O mandatário se manifestou pela segunda vez sobre a crise em menos de uma semana, após ser duramente criticado por autoridades de Damasco.

"Chegou a hora de mudança e não perder tempo falando de reforma. Esse momento já passou. Agora é hora de mudança."

Durante encontro de chanceleres da Liga Árabe, no Cairo, ele também anunciou uma reunião com quatro países da região para discutir a crise síria --Arábia Saudita, Turquia, Irã e o próprio Egito.

Esta é mais uma declaração de Mursi contra o regime sírio. Na última quinta (30), o presidente chamou Assad de "opressor" durante a Cúpula de Países Não Alinhados, em Teerã. As palavras provocaram a saída da delegação síria da sala de reuniões.

Em seu discurso, o mandatário egípcio disse que o governo de Assad perdeu a legitimidade com suas ações violentas e pediu à oposição que se una para buscar uma saída pacífica ao conflito. Ele pediu que seja impedida a generalização da guerra no país.

Na segunda (3), o ministro do Interior da Síría, Omrane al Zohbi, criticou Mursi, dizendo que a barba é a única diferença entre o novo mandatário e o ditador Hosni Mubarak, que caiu em 2011.

"Mesmo com Mubarak, nós consideramos o Egito, terra de civilização e história, um exemplo de nacionalismo que tem um papel importante. Mas é lamentável que após a saída de Mubarak, um outro tome o lugar tendo a barba como a única diferença", declarou Zohbi.

O ministro ironizou uma frase de Mursi, que havia dito que o Egito tinha responsabilidade na crise síria.

"A primeira vez que ouvi Mohamed Mursi dizer a verdade, foi quando declarou se sentir responsável pelo derramamento de sangue sírio, como o Qatar, a Turquia e a Arábia Saudita, que também são responsáveis".

TURQUIA

As condenações à situação da Síria e à atuação do regime sírio também foram feitas pelo primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em reunião de seu partido em Ancara.

Ele disse na quarta-feira que Assad criou um "Estado terrorista" na Síria e expressou novamente frustração com a falta de consenso internacional sobre o caos no país vizinho.

"Os massacres na Síria, que ganharam força com a indiferença da comunidade internacional, continuam aumentando. O regime na Síria tornou-se um Estado terrorista".

O governo turco inicialmente cultivava boas relações com a administração de Assad, porém Erdogan se tornou um dos críticos mais ferrenhos do ditador sírio desde o início das revoltas, em março de 2011.

A Turquia está lutando para lidar com a entrada de cerca de 80 mil refugiados sírios em seu território e tem pressionado repetidamente por uma zona de segurança dentro da Síria protegida por forças estrangeiras, mas a proposta teve pouco apoio internacional.


*

Comentário:

A um ano e meio atrás "ativistas" começaram a entrar na Síria através da fronteira turca, eles são financiados por islâmicos, pela Turquia, pelo EUA e pela França, eles formaram o "exército sírio livre", recebem continuamente armas e suprimentos através da fronteira turca para atacar o governo estabelecido na Síria, muito bem - agora vem o maior responsável por tudo isso dizer que a Síria é terrorista !
A hipocrisia dos politicamente corretos não tem limites!


***


TEXTO ESCRITO EM 14/09/2012



Sobre o assassinato do embaixador do EUA na Líbia.

Ao falar sobre o assassinato do embaixador dos Estados Unidos na Líbia, J. Christopher Stevens, do oficial Sean Smith e de outros dois diplomatas americanos, na noite de terça-feira, 11/09, a secretária de Estado, Hillary Clinton, disse o seguinte:

"Hoje muitos americanos estão se perguntado e eu me perguntei 'como isso pôde ter acontecido em um país que nós ajudamos a libertar, na cidade que ajudamos a ser salva da destruição?'"


Em resposta podemos perguntar: Como pode uma pessoa ingênua como essa, que faz essa tola pergunta, ser responsável pela condução da política externa do mais poderoso estado do mundo ?

Hillary não tem a menor capacidade para ocupar o cargo que ocupa, ela tem a cabeça de uma menina de 8 anos de idade, não tem noção da realidade.
Estes são os alienados que estão conduzindo a humanidade para o caos

Hillary é só mais uma entre milhões de alienados que sofreram lavagem cerebral aplicada pelos "intelectuais" do marxismo cultural nas escolas e se tornaram os tolos politicamente corretos que infestam a midia, Hollywood e as universidades de toda sociedade ocidental na atualidade.

E pior disso tudo para a humanidade é que estes tolos são maioria e tomaram o poder na mais poderosa nação do mundo...
No Brasil então nem se fale!


***

Nenhum comentário:

Postar um comentário