A alienação

A alienação

sábado, 11 de agosto de 2012

Seria prudente o Ocidente perceber a realidade da "primavera árabe" - a mantra de "eleições livres" em árabe não se traduz como "democracia"

É impressionante ver a multidão de comentaristas, críticos, articulistas, blogleiros, políticos, intelectuais por todo o ocidente com os olhinhos brilhantes de alegria ao se referirem a chamada "primavera árabe" como o surgimento de democracias no mundo árabe !

Claramente o que está acontecendo no mundo árabe não vai desaguar em democracia, mas sim, irá ser a formação de uma enorme União de Repúblicas Islâmicas radicais comandados por entidades subordinadas a Irmandade Muçulmana.

Vou colocar a seguir o artigo de Steven Simpson, um mestre especialista em questões políticas no Oriente Médio que com grande clareza demonstra para onde irão as nações árabes.

Acrescento ao seu artigo algo que ele não abordou que é como ficará a situação de Israel rodeado por republicas islâmicas por todos os lados ?
E quais são as causas dessa ingênua opinião do ocidente em relação a "primavera árabe" ?
Tenho a minha opinião mas estou enviando um email para Steven na tentativa de saber a opinião dele sobre isso.


ARTIGO

The West should be prepared--metaphorically speaking--to start stockpiling on heavy winter clothing. An Islamic ice age is about to descend upon us. Be prepared.
Why the Arab Spring Will Descend Into an Islamic Ice Age
Steven Simpson Monday, April 16, 2012


http://www.canadafreepress.com/index.php/article/46013

Tradução

O Ocidente deveria ficar preparado - metaforicamente falando - para iniciar o armazenamento de roupas de inverno pesado.
Uma idade do gelo islâmica está prestes a descer sobre nós. Esteja preparado.
Porque a Primavera Árabe nos levará uma Idade do Gelo islâmico
Steven Simpson segunda-feira 16 abril, 2012

A tão alardeada e elogiada "Primavera Árabe", que tomou o mundo de surpresa em dezembro de 2010, é lenta mas seguramente, está se transformando em um inverno árabe, que inexoravelmente se tornará uma Idade do Gelo árabe islâmica em um futuro próximo.
Já, os pingentes de pan-islamismo estão começando a se formar em todo o Magrebe (Norte de África), e seria melhor o Ocidente se adaptar a realidade que o mantra de "eleições livres e justas" não se traduz em árabe como democracia de estilo ocidental

Tunísia


Ironicamente, o berço da "Primavera árabe" é a -Tunísia, que já está a meio do caminho para se transformar de tirania secular árabe, em dominação islâmica árabe.
O maior partido no parlamento da Tunísia é o partido "moderado" islâmico conhecido como Ennahda (Hizb um Nahda), que significa "Partido do Renascimento."
Quando as eleições foram realizadas em outubro de 2011, o partido ganhou uma pluralidade de 90 lugares no membro 217 Assembléia Constituinte.
Ennahda foi formado por Rashid Ghannouch i, e após 22 anos de exílio retornou como um herói em janeiro de 2011, após a derrubada do Zine El Abidine Ben Ali.
Sr. Ghannouchi, tem sido descrito como um "moderado" por muitos analistas políticos, porém, ele já clamou pelo "fim de Israel.".

Ghannoushi

Ele comparou seu partido com o do AKP islâmico da Turquia ("Justiça e do Desenvolvimento Party"), liderado por o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan que praticamente transformou a Turquia em uma república islâmica de fato e trouxe as relações com Israel à beira do rompimento.
Infelizmente, o muito aclamado (e talvez não) "Jasmine Revolution" poderia muito bem ter preparado o caminho para o início das "Islamocracias." árabes.
Ou seja, repúblicas islâmicas substituindo regimes seculares pan-árabes através de "eleições livres e justas."

Argélia

Para o oeste da Tunísia está a República Popular Democrática da Argélia, que quase se tornou a primeira república islâmica no mundo árabe em 1991. Naquela época, a Frente Islâmica de Salvação estava à beira de se tornar o maior partido no Parlamento até que o exército entrou em cena, desencadeando uma feroz e sangrenta guerra civil que depois de nove anos deixou o país no caos.
As eleições estão vindo aí em maio, e há uma boa chance de que a troika de partidos islâmicos vá se dar muito bem - mais uma vez - "através de eleições livres e justas".

Marrocos

Depois, temos o Reino de Marrocos.
Embora, atualmente liderado pelo moderado pró-ocidental rei Mohammed VI, o Phoenix islâmico já foi ressuscitado.
Nas eleições de novembro de 2011, o Partido Justiça e Desenvolvimento ganhou 107 lugares no Parlamento membro 395.
O novo primeiro-ministro, Abdelilah Benkirane, é também o líder do partido.
Claro, ele também é considerado um "moderado".
Mas quando olhamos com mais atenção, torna-se claro que o termo "islâmico moderado" não é nada mas que um paradoxo contraditório.

Líbia

Finalmente, existem a Líbia e o Egito.
Na Líbia, o reinado tirânico e assassino de 42 anos do monstruoso Muammar al-Kadafi chegou ao fim de forma abrupta com uma bala na cabeça em outubro de 2011.
Atualmente, a Líbia é governada por uma coalizão de vários partidos e tribos sob a tutela do Conselho Nacional Interino da Líbia.
No papel (ou pelo menos sobre a World Wide Web), parece que a Líbia está sendo governado por um conselho de líderes que estão ansiosos por um país democrático com eleições livres.
No entanto, quando se olha mais perto, o Conselho é liderado por um ex-comparsa de Kadafi, Mustafa Abdul Jalil, que se voltou contra seu patrono em fevereiro de 2011.
Sua formação acadêmica inclui graduação da Universidade da Líbia, onde estudou (o que mais?) a Sharia.
Enquanto Jalil não pode ser um islâmico aberto, há muitos no Conselho que são, mais notavelmente Abdel Hakim Belhaj que lutaram no Afeganistão contra os soviéticos e levou o já extinto Grupo Combatente Islâmico da Líbia.
Na verdade, o Projeto de Constituição da Líbia propõe a consagração da Sharia como base para a lei estadual.
Enquanto apenas um projeto, neste momento, parece ser um mau começo para um futuro "democrático" na Líbia.
No entanto, para que ninguém derrame lágrimas pelo falecido coronel Kadafi, deve-se lembrar que a lei islâmica também foi consagrado no Kadafi na Constituição de 1969, e explicitamente a reafirmou na Constituição de 1977.
As eleições estão previstas para serem realizadas em junho.
Mas a profanação recente de sepulturas britânicas de veteranos da Segunda Guerra Mundial e da resposta morna do Conselho Nacional é um prenúncio de coisas para na Líbia parecem caminhar para guerra civil, ou um Estado islâmico.
A Líbia é atormentada (ou abençoada, dependendo o ponto de vista) por numerosos grupos islâmicos, incluindo a sua primeira filial, a Irmandade Muçulmana, também chamada de Partido da Justiça e Desenvolvimento.

Egito

Finalmente, há a "mãe do mundo árabe," o Egito.
É no Egito que o padrinho de toda a supremacia de grupos islâmicos da Irmandade Muçulmana foi desovado.
A gênese da al-Ikhwan al-Muslimun foi formada em 1928 por Hassan al-Banna, e cuja teologia foi refinado por Sayid Qutb.
No entanto, se olharmos para a realidade e clareza (ao contrário da atual administração americana, para quem em sua totalidade a Irmandade é vista como "moderado" ), veremos que a Irmandade é um movimento violento fascista que procura a dominação islâmica mundial .
Na verdade, a Irmandade é a falange e égide para todos os grupos islâmicos que surgiram em todo o mundo muçulmano.
Concretamente, é nada menos que uma hidra islâmico, e um inimigo implacável do Ocidente, Israel, e todos os não-muçulmanos.


Quando os egípcios derrubaram Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011, os políticos e os analistas políticos de todo o mundo ficaram maravilhados e prognosticaram que uma democracia estava vindo para o Egito.
Aparentemente, o povo egípcio tinha outros planos em mente.
Nas eleições parlamentares realizadas em janeiro de 2012, os partidos islâmicos conquistaram 71% dos votos.
Foi um triunfo para os islâmicos por todo o Egito e um mau sinal de uma ressurreição islâmica de proporções monumentais.
O velho ditado "Para onde o Egito vai, assim vai o mundo árabe" parece ser uma profecia que aparece no horizonte.
O triunfo final de um Egito islâmico será a eleição presidencial que será realizada no final de maio.
Agora, em 2012, parece que os sonhos de al-Banna e Qutb a transformação do Egito em um estado islâmico virão a ser concretizadas.
Nesta situação dois muçulmanos foram proibidos de funcionar.
Estes são o candidato Salafi, Hazem Abu-Ismail, que era o que estava na frente, e os irmãos " Khairat al-Shater do "Partido Liberdade e Justiça."
Ambos estão tentando apelar contra o veredicto.
Os irmãos já tem um candidato backup, Mohammed Mursi.
Outro ex-irmão, Abdel Moneim Abul Fotouh- está também em formação.
Independentemente disso, parece um fato consumado que um islamista vai realmente ganhar, isto significa que o destino do Egito está hermeticamente fadado a ser um estado islâmico.
Embora este artigo não abrange o recrudescimento dos movimentos islâmicos no Mashreq (Leste), englobando os estados rodeados de sangue como Síria, Líbano, Iraque, Iêmen e Bahrein, o islamismo está chegando lá também.
A mensagem é clara e muito simples: Os adeptos de Maomé não vão trocá-lo em breve por Washington, Jefferson, ou Madison.

Steven Simpson tem um B.A. em Ciências Políticas com ênfase em estudos do Oriente Médio, ele também é Master’s Degree in Library Science.



***

Texto relacionado este:

A guerra civil na Síria e a hipocrisia ocidental


http://comentriossobreacontecimentosmundiais.blogspot.com.br/2012/02/guerra-civil-na-siria-e-hipocrisia.html


***

Meu email para Steven Simpson.

Boa tarde!

Primeiramente gostaria de parabeniza-lo pela sua rara interpretação dos acontecimentos no Oriente Médio.

Eu li e reli seu artigo com atenção porque eu também a tempos tenho a mesma interpretação que você teve de para onde a "primavera árabe" irá levar o Oriente Médio.

Entretanto, por favor, eu gostaria de fazer duas perguntas a você sobre o assunto:

1. Qual a sua opinião com respeito as causas da ingênua compreensão que o ocidente está tendo de que a "primavera árabe" irá levar a democracias?
O que claramente não acontecerá.

2. O que você acha que irá acontecer a Israel, e ao Oriente Médio como um todo, depois que o Oriente Médio e o Norte da África se tornarem uma grande União de Republicas Islâmicas?

Muito obrigado.


Resposta de Steven ao meu email:

Steven Simpson
terça-feira, 14 de Agosto de 2012 11:13
Re: Arab Spring


Thank you for your letter. I appreciate your comments.

I think that it is all very simple.
The Arab race is most comfortable with Islam. Everything else has failed for them in the modern world, so why not give Islam a chance?
As for the West, they are blind to the Arab’s attachment to Islam.
Much like a child is drawn to his father and mother, it is the same with the Arabs and Islam.
It is a security blanket for them.
The West has become completely secular, if not atheist, and they cannot fathom that a people actually believe in a “holy book” as the word of a god.
This is to the Arabs advantage.
Also, the West has a fond spot in their heart for Islam as they see it as being inherently anti-Western (which it is).
Liberals and leftists see Islam as “cool” and have a romanticized view of it.
Of course, once Islam takes over, they will do away with the liberals and westerners.

Regarding what will happen.
Eventually, (perhaps a decade, or even less) we will see an Islamic revival unparalleled in history.
It does not bode well for Israel, nor for the West.
My personal opinion is that it will end with a disastrous war.
And indeed, it might happen very soon between Israel and (non-Arab) Iran.

If one really understands the situation of Islam vis-a vis the West, then it has to come down practically to a war of annihilation.
Islam seeks global supremacy.
For those who are not Muslims, this means either acceptance of Islam, death, or fighting it by all means necessary.

Regards,


Steven

TRADUÇÃO

Obrigado por sua carta. Eu apreciei os seus comentários.

Eu acho que é tudo muito simples.
O objetivo árabe é mais confortável com o Islã.
Todo o resto falhou para eles no mundo moderno, então porque não dar uma chance ao Islã?
Quanto ao Ocidente, eles estão cegos (não percebem) para o apego dos árabes para com o islamismo.
Muito parecido (o comportamento ocidental) com o de uma criança sendo embalada pelo seu pai e mãe, isto também acontece com os árabes (o povo) em relação ao Islã.
É uma proteção segura para eles.
O Ocidente tornou-se completamente secular, talves até ateu, e eles (o ocidente) não conseguem imaginar que um povo possa realmente acreditar em um "livro sagrado", como sendo a palavra de um deus.
Esta é a vantagem dos árabes.
Além disso, o Ocidente (os politicamente corretos ocidentais) tem um certo gosto em seu coração pelo Islã pois eles o vêem como inerentemente anti-ocidental (e realmente é).
Os libertários e esquerdistas vêem o Islã como "maneiro" e tem uma visão romantizada do mesmo.
Mas claro, uma vez que o Islamismo tome o poder, eles vão acabar com os libertários e esquerdistas ocidentais.

Quanto ao que vai acontecer.
Eventualmente, (talvez uma década, ou até menos), vamos ver um renascimento islâmico paralelo na história.
Isso não trás nada de bom para Israel, nem para o Ocidente.
Minha opinião pessoal é que isso vai acabar em uma guerra desastrosa.
E, de fato, pode acontecer muito em breve (uma guerra) entre Israel e o Irã (que não é árabe).

Se alguém realmente entende a posição do Islã frente (vis-a vis. cara a cara) ao Ocidente, então vai perceber que se encaminhará para uma guerra de aniquilação.
O Islã busca a supremacia global.
Para aqueles que não são muçulmanos, isto significa, ou a aceitação do Islã, a morte, ou combatê-lo por todos os meios possíveis.

Atenciosamente,


Steven


Meus comentários a respeito da opinião expressada pelo Steven:

Concordo com tudo sem tirar uma palavra sequer.
Não existe no texto de Steven nenhum pessimismo, é uma análise empírica da situação.
É exatamente isso que irá acontecer.
Quem viver verá.


***

Nenhum comentário:

Postar um comentário