A alienação

A alienação

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

O que é inteligência ?


Fiz um comentário na Folha de S.Paulo em um artigo do Hélio Schwartsman, coloco a seguir o artigo e em seguida vou fazer um comentário mais abrangente sobre o assunto.


13/08/2013 - 03h30
O mundo como ele é
Hélio Schwartsman

SÃO PAULO - "Quem sai na chuva é para se queimar", dizia Vicente Matheus.
Como ainda estou recebendo e-mails irados por ter aventado a possibilidade de haver razões biológicas para explicar o número desproporcional de judeus entre os laureados com um Prêmio Nobel, lanço uma provocação fresquinha.
Saiu ontem na "Personality and Social Psychology Review" a primeira metanálise a avaliar estudos sobre inteligência e religiosidade. Miron Zuckerman e colaboradores compararam 63 trabalhos publicados entre 1928 e 2012 e concluíram que há uma correlação negativa entre habilidades cognitivas e o grau de crenças religiosas.
Não é uma correlação muito forte --fica entre -0,20 e -0,25 para estudantes universitários e a população geral--, mas é significativa.
Segundo os pesquisadores, há três interpretações possíveis para esses achados.
Pessoas inteligentes são menos conformistas e têm maior probabilidade de opor-se a dogmas.
Elas também privilegiam o raciocínio analítico, não o intuitivo, o que mina crenças religiosas.
Por fim, os mais inteligentes não têm tanta necessidade dos "produtos" que a religião entrega, como autocontrole e ligações que proporcionam segurança.
O que isso significa?
Que precisamos pesquisar mais, para descobrir qual (ou quais) das explicações é a que vale e para levantar e testar hipóteses alternativas.
E, mesmo que chegássemos à improvável conclusão de que a melhor forma de promover a inteligência é fechando igrejas, isso de modo algum nos autorizaria a restringir cultos e perseguir padres.
Só que o argumento para nos opor à redução de liberdades (e ao racismo, sexismo etc.) é moral e não baseado em pretensas realidades naturais, como a bondade intrínseca da religião ou a igualdade entre os homens.
Se queremos que a ciência tenha alguma utilidade nessa empreitada, pesquisadores devem ser incentivados a descrever o mundo como ele é, não como gostaríamos que fosse.


Comentário:

Vou colocar a seguir a minha opinião sobre o assunto.

O "talento" é normalmente confundido com "inteligência".

Dizem: Einstein era inteligente, um gênio!
Isso necessita de uma análise mais detalhada.
Einstein tinha talento para a física, estudou muito a física também, e ai se tornou um gênio, mas, não um gênio em tudo, um gênio especificamente da física.

O que existe são pessoas, e elas existem em qualquer raça, que possuem talento em alguma atividade humana, por exemplo.

Pelé, é um gênio do futebol, tem talento para o futebol, mas, quando se põe a falar de outras coisas em geral desagrada a muita gente.
Não que Pelé esteja errado no que diz, a forma que ele diz é que não é acessível.

Van Gogh, foi um genial pintor, suas pinturas são obras primas, mas, na sua vida fora da pintura Van Gogh era um grande fracasso.

Kant e Nietzsche foram muito bons em filosofia, gênios, e Newton foi muito bom em física, gênio também, porém, os três não tinham jeito para tratar com as mulheres, não casaram, não tiveram filhos, ou seja, se a espécie humana dependesse deles ela seria extinta.

Elvis Presley, foi fantástico como cantor, mas sua vida foi um colossal fracasso.

Uma habilidade quase sempre classificada como "inteligente" é a dos campeões de xadrez
Mas, quem conhece a vida dos grandes jogadores de xadrez, como Capablanca, Alekhine, Fischer, Karpov, Kasparov, sabe q eles eram "inteligentes' apenas na arte do xadrez...

Alekhine e Capablanca, gênios do xadrez

Eu poderia se estender aqui com uma infinidade de exemplos, porém, em resumo, o que temos são pessoas que alcançam grande sucesso e conhecimento em uma determinada área, ou por muito estudo ou por talento nato, mas, tal "inteligência" é só naquela área.
Um excelente sociólogo pode ser um péssimo educador, um bom químico pode não saber nada de biologia.

Ou seja, "talento" não é "inteligência".

Existem dois testes principais que medem inteligência, um que fornece o QI (Quociente de Inteligência), e outro que fornece o QE (Quodiente Emocional), acho o segundo melhor.
Estes testes sem dúvida dão uma boa informação, mas não conseguem medir inteligência real.

Inteligência não depende de estudo, embora pessoas inteligentes quase sempre estudem, em geral são autodidatas, inteligência é instantânea, inesperada, é "felling", sentimento, é "ver" algo importante em qualquer situação, em qualquer área, é "ver" onde os demais pessoas não vêem nada.

Inteligência é a capacidade de compreender a realidade objetivamente sem dogmas e sem ideologia.

Grandes estadistas são um exemplo para inteligência, uma característica deles é serem raros.
Estadistas são submetidos a toda sorte de situações, aparecem a eles problemas de todas as áreas de atividade humana, apesar de terem auxiliares especializados em todas elas, várias questões entram em jogo simultaneamente, e o estadista tem que tomar a decisão final que é só dele, se essa decisão for certa ou errada isso vai influir na vida de toda a nação.

Winston Churchill, primeiro-ministro inglês durante a segunda guerra mundial, era um homem inteligente, ele não entendia apenas de política, entendia de vida em geral, muitas frases dele são exemplo de lucidez.
Alias, a lucidez é uma das características fundamentais da inteligência.
Uma pessoa inteligente, em qualquer assunto em que vá emitir sua opinião, usa a lucidez e não diz besteiras.

Winston Churchill
que liderou o povo inglês na Segunda Guerra Mundial,
Inglaterra que estava ameaçada de destruição pela Alemanha nazista


Margaret Thatcher, foi uma mulher inteligente, comandou e mudou a Inglaterra em um período difícil, os trabalhistas, na verdade socialistas ingleses, estavam levando a Inglaterra a falência entupindo o estado de gente improdutiva, Thatcher os enfrentou e venceu, mudando a situação do povo inglês para melhor.
Os discursos de Thatcher são um exemplo de lucidez e conhecimento da realidade.

Margaret Thatcher, a estadista do Reino Unido


Uma outra pessoa que eu classifico como inteligente foi Sigmund Freud.
Freud fundou uma ciência, a Psicanálise, uma ciência da inteligência e da emoção, uma ciência que explica a mente humana, uma ciência que mudou a compreensão da mente humana.
Porém, Freud não era competente apenas na sua área, Freud entendia de comportamento e intenções humanas, ele escreveu livros que podemos considerar como sendo filosóficos, mas, na verdade, são livros de interpretação da vida humana empiricamente, livros pequenos, mas, cujo conteúdo tem um tamanho enorme, e vai a fundo na natureza humana prática, entra na política, nas ideologias, e nas forças que dirigem a insensatez humana.
Freud não dizia besteiras em qualquer assunto em que se arriscava a dar opinião, era um homem inteligente.

 Sigmund Freud, um conhecedor da vida

Outro ser humano inteligente foi Renê Descartes, talvez o maior responsável pela transformação de uma época histórica como iniciador do Renascimento.
Descartes era versátil, iniciou uma nova forma de pensamento, o Racionalíssimo, mas também fez coisas de enorme importância na física, na matemática, na geometria, viveu a mais de 500 anos atrás, mas até hoje as Coordenadas "Cartesianas" (eixos x, y, z) são usadas em larga escala pela humanidade.

Renê Descartes, um gênio em diversas áreas

Acredito, que existam pessoas inteligentes mas que são desconhecidas, o ser inteligente em geral não precisa de publicidade, pois ele se satisfaz a si mesmo em termos de satisfação pessoal.
Apesar de que os seres inteligentes não dispensam jamais o convívio dos demais, em especial não dispensam as relações com o sexo oposto, uma vez que é este é maior valor humano, o maior gozo, e o sucesso nisso é a mais difícil arte com a qual os humanos tem que ionteragir.

A inteligência tem a ver com o maior valor humano, as relações pessoais com o sexo oposto e com a sociedade em geral, disso depende a felicidade de um ser humano.
Um ser humano pode ir viver isolado, pode com isso obter paz, mas, felicidade, êxtase, gozo, isso não vai ter.

Para ser feliz um ser humano precisa ser muito inteligente, ter múltiplos talentos, pois a felicidade está no outro... a felicidade do homem está na mulher, e a da mulher no homem, que se amam ou se desejam, e para que as coisas caminhem de forma feliz, muito "jogo de cintura", muitos talentos devem ser empregados, e ter sucesso nisso depende da inteligência.

Sempre quando penso nesse assunto lembro de Eike Batista, um dos homens mais ricos do mundo, porém, sua linda mulher largou dele, e o motivo deve ter causado muito sofrimento a um dos homens mais ricos do mundo, ele teve talento para negócios mas não teve habilidade para conservar a sua mulher, e com certeza, não foi feliz e sofreu muito.
Foi um exemplo prático de que o dinheiro não trás a felicidade.

Eike e Luma

A maior inteligência é conseguir viver livre, em liberdade, mas, ao mesmo tempo ser amado ou desejado pelo sexo oposto, ter relação afetiva, feliz e emotiva, e simultaneamente manter um relacionamento abrangente e homogêneo com a sociedade.
É estar isolado, mas ao mesmo tempo perfeitamente integrado a toda humanidade!

O desenvolvimento da civilização humana é um caminho a privacidade, humanos selvagens não tinham privacidade, o ser humano civilizado caminha em busca dela.
E a inteligência tem papel fundamental nessa difícil tarefa.

***

A civilização é o progresso em direção a uma sociedade de privacidade.
Toda a existência do selvagem é pública, governada pelas leis da sua tribo.
A civilização é o processo de libertação do homem relativamente aos homens.

Ayn Rand



***


Nenhum comentário:

Postar um comentário