A alienação

A alienação

domingo, 17 de novembro de 2013

Viva o Chile comunista !



Aproveito o artigo de Clovis Rossi na Folha de S,Paulo para fazer alguns comentários sobre o Chile e sua sina socialista.


17/11/2013 - 02h00
O Chile, as urnas e a rua
Ouvir o texto


A socialista Michelle Bachelet se elegerá presidente do Chile ou hoje ou no segundo turno, no mês que vem.
Ganhar nas urnas, no entanto, será a parte fácil de seu percurso.
Difícil será ganhar da mobilização popular -especialmente estudantil- que ela própria já antevê: "O Chile mudou e se tornará mais difícil governar para qualquer presidente. Se não formos capazes de fazer as mudanças, e as pessoas começarem a tomar as ruas, não será responsabilidade de uma presidente, mas de um sistema político incapaz de responder aos desafios do Chile".

Sebastián Piñera, o presidente que Bachelet vai substituir, perdeu a rua e, com isso, inviabilizou a possibilidade de fazer o sucessor.
O máximo que pode conseguir é levar ao segundo turno a candidata do conservadorismo, Evelyn Matthei.
De Piñera para um quase certo novo governo Bachelet, os estudantes se radicalizaram.
A líder socialista trouxe o Partido Comunista para a sua coligação, a "Nova Maioria", e com ele veio a musa do protesto estudantil, Camila Vallejo, agora candidata.
Não resolve. Melissa Sepúlveda, que acaba de ser eleita presidente da Federação dos Estudantes da Universidade do Chile, principal centro estudantil, avisa: "Estamos colocando a necessidade de mobilização e do fortalecimento das organizações sociais e políticas surgidas nos últimos anos, seja qual for o governo a ser eleito. Vemos com desconfiança histórica e apoiada em mobilizações passadas as possibilidades reais de transformação por um governo da Nova Maioria".
Se Camila é comunista, Melissa se assume como anarquista, mais à esquerda ainda e mais inclinada a ganhar as ruas, sem falar no uso da violência.
A propósito: dois anarquistas chilenos acabam de ser presos na Espanha, acusados de colocar uma bomba na catedral de Zaragoza.
Não é à toa, portanto, que Bachelet tenha como prioridade 1 a reforma educativa, para tornar o ensino grátis, e como prioridade 2 uma reforma tributária que lhe permita elevar de 20% para 25% o imposto às grandes empresas, exatamente para financiar a gratuidade educacional.
Achar que o movimento estudantil é insuficiente para desestabilizar um governo é miopia.
Para financiar os estudos universitários, transformado pela sabedoria convencional em porta de entrada para o paraíso, os estudantes e suas famílias se endividam de uma maneira que, com o tempo, se torna insustentável.
A sociedade toda, portanto, acaba se envolvendo com a reivindicação da moçada, o que lhe dá a dimensão de problema principal a ser encarado pelo governo, qualquer que seja.
Por isso, está em xeque o próprio modelo chileno, estável e de bom crescimento (5,5% na média dos anos Piñera contra pouco mais de 4% nos anos Lula no Brasil): a mais recente pesquisa do Latinobarômetro mostra que menos de 20% dos chilenos acham que o governo age em benefício de todos, um dos piores resultados na América Latina.
É essa percepção que Bachelet terá que mudar se quiser ganhar também na rua.



Comentário:

Existem coisas, para pessoas e para nações, que precisam acontecer, pois se não acontecerem ficam indefinidamente latentes como germes sempre em gestação.
Uma dessas coisas é o Chile se tornar socialista-comunista com tudo que tem direito - partido único para poderem "fazer tudo certo" como Marx mandou, "intelectuais" no comando do "processo revolucionário", "intelectuais" conduzindo as ações dos proletários que não tem "espírito de classe" e por isso devem ser conduzidos pelos sábios "intelectuais" marxistas, os únicos que possuem a inteligência para fazer isso (Karl Marx, Manifesto Comunista, 1848), devem também é claro seguir as ordens de Marx e abolirem a propriedade privada e o sistema de salários produtores da odiosa "mais-valia", debem também acabar com os malvados bancos provados e fundar um banco do estado socialista, e por último, o maior prazer marxista - exterminar com a "burguesia" e tornar o Chile um país de proletários !
E assim devem permanecer por 50 ou mais anos, talvez 100 anos, até que a maravilhosa sociedade comunista surja com todo seu esplendor igualitário !

Como foi dito no artigo os chilenos "querem mudanças"... o Chile ser um oasis na miserável América Latina e seu povo ter excelente qualidade de vida não lhes é suficientemente bom !
Eles querem mudanças, e como o socialismo é um regime que nas diversas nações em que foi implantado trouxe para estas nações as mais miseráveis condições de vida... os chilenos querem adotá-lo para obterem mudanças... nada mais correto !
Os chilenos, com toda certeza, terão as mudanças que tanto, por décadas, almejam.

Isso precisa acontecer no Chile porque o Chile tem "vocação" socialista....

 Chile - 1940
Salvador Allende - um socialista no poder no Chile

O Chile elegeu o comunista Allende para presidente no século passado numa época em que o socialismo estava em franca efervescência no mundo com a URSS expandindo sua propaganda por toda parte e a tomada do poder em Cuba por Castro e Guevara fazia os "intelectuais" marxistas terem orgasmos múltiplos !
Porém, Pinochet tirou Allende do poder, e, apesar de Pinochet ter levado a Chile a ser uma das melhores nações do mundo, a ter um excelente IDH e qualidade de vida... os chilenos não desistiram do socialismo, o querem como um drogado quer sua droga preferida !
E nada os vai demover dessa alegoria, nem a boa qualidade de vida nem a realidade histórica que mostra as desgraças que o socialismo causou em diversas nações do mundo !

Michelle Bachelet - a nova socialista chilena

A ideologia revolucionária, em especial o marxismo, é uma doença incurável, essa doença só desaparece quando mata sua vítima, como foi o caso da URSS, como é o caso da Bulgária, agora livre do socialismo, que colocou na sua Constituição um antídoto para evitar que a desgraça do socialismo volte a existir na Bulgária.

Mas, o Chile ainda não provou do veneno que tanto sonha em ingerir !
Por isso devemos torcer para que o Chile finalmente tenha o socialismo tão sonhado por seu povo !

E que seja de forma completa e acabada como Karl Marx decretou no Manifesto Comunista !
Que seja um socialismo amplo, geral e irrestrito, e que assim permaneça por dezenas de anos !

Viva o Chile comunista !

As universidades chilenas produziram "musas" comunistas e anarquistas

A musa comunista
A musa anarquista

Vivas, vivas, estudantes revolucionários com suas "musas" anarquista e comunista desfilando pelas ruas como seus congêneres faziam em Barcelona em 1936 aos gritos de viva a revolução !
O Chile precisa disso !

 "Musas" espanholas de 1935.
O resultado?  -  700 mil mortos!

Por isso devemos gritar com toda força - VIVA O CHILE COMUNISTA !



***