A alienação

A alienação

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Karl Marx – Libertar os escravos varrerá o EUA do mapa

Para Karl Marx a escravidão negra na América tinha um "lado bom" !

Em 28 de Dezembro de 1846 Marx escreveu uma carta para Pavel Vassilievitch Annenkov (1814-1887), um historiador e crítico literário russo, que havia lhe escrito pedindo opinião sobre o livro "Filosofia da miséria" que Proudhon tinha acabado de escrever.

Esta carta nada mais é do que crítica e sarcasmo de Marx contra Proudhon, as expressões usadas por Marx nesta carta são de declarado ódio a Proudhon ... que nada de mal lhe havia feito, apenas tinha escrito um livro colocando suas opiniões filosóficas, não precisava tanto rancor contra uma pessoa de quem ele Marx, tinha recebido ensinamentos decisivos sobre a propriedade privada.

Para obter o seu intento de usar de sarcasmo e denegrir Proudhon, Marx INVENTOU uma SUPOSTA "dialética de Proudhon", dialética esta que Proudhon JAMAIS USOU em seu texto.

A carta toda, longa, é semeada de palavras agressivas contra Proudhon, não precisamos ver todo esse ódio, vejamos apenas parte do texto da carta para que cada leitor possa tirar suas conclusões.

Eis o texto:

"Meu querido Sr Annenkov
...

Deixe agora lhe dar um exemplo da dialética de Proudhon.

A liberdade e a escravidão constituem um antagonismo.
Não há nenhuma necessidade de eu falar dos aspectos bons ou maus da liberdade.
Quanto à escravidão, não há nenhuma necessidade para mim falar de seus aspectos maus.
A única coisa que requer explanação é o lado bom da escravidão.
Eu não me refiro à escravidão indireta, a escravidão do proletariado; eu me refiro à escravidão direta, à escravidão dos pretos no Suriname, no Brasil, nas regiões do sul da América do Norte.
A escravidão direta é o pivô em cima do qual a industrialização dos dias de hoje faz girar a maquinaria, o crédito, etc.
Sem escravidão não haveria nenhum algodão, sem algodão não haveria nenhuma indústria moderna.
É a escravidão que tem dado valor às colônias, foram as colônias que criaram o comércio mundial, e o comércio mundial é a condição necessária para a indústria de máquinas em larga escala.
Conseqüentemente, antes do comércio de escravos, as colônias enviaram poucos produtos para o velho mundo, e não ajudaram de forma visível a mudar a face do mundo.
A escravidão é consequentemente uma categoria econômica de suprema importância.
Sem escravidão, a América do Norte, a nação mais progressista, ter-se-ia transformado em um país patriarcal.
Se tiramos a América do Norte do mapa teremos a anarquia, a deterioração completa do comércio e da civilização moderna.
Abolir a escravidão seria varrer a América do mapa do mundo.
Sendo uma categoria econômica, a escravidão existiu em todas as nações desde o começo do mundo.
Tudo que as nações modernas conseguiram foi disfarçar a escravidão em casa e importá-la abertamente no Novo Mundo.
Depois destas reflexões sobre escravidão, o que o bom Sr. Proudhon fará ?
Procurará a síntese da liberdade e da escravidão, o verdadeiro caminho dourado, em outras palavras, o equilíbrio entre a escravidão e a liberdade."


Fonte em inglês:
http://www.marxists.org/archive/marx/works/1846/letters/46_12_28.htm

Não seria necessário dizer, que Proudhon, um humanista francês dos maiores e que exercia liderança sobre os socialistas de toda a Europa, fato este que gerou em Marx grande inveja e ódio, jamais disse nada parecido com isso!
Tudo isso saiu da cabeça mentirosa e maledicente de Marx.


Bom, alem do fedorento sarcasmo raivoso contra Proudhon, o que temos neste trecho da carta ?
Temos mais um grotesco erro de avaliação de Marx !
Quinze anos depois dessa carta de Marx, o EUA fez uma guerra civil (1861-1865), e libertou totalmente os escravos, e jamais aconteceu o que Marx supôs !

O EUA sem escravidão não se transformou em um país patriarcal ... e muito menos foi varrido do mundo como Marx estupidamente profetizou !
Ao libertar os escravos pela primeira vez na história da humanidade o EUA se tornou um país livre e a maior nação do mundo.
A maldade, o mau caráter,, o revanchismo, o ódio das pessoas que ousassem fazer uma teoria filosófica e não apenas se submetessem a sua opinião despótica - é que levaram Marx a dizer esse absurdo que ele disse nesta carta.


***

7 comentários:

  1. Marx apenas disse que a escravidão traz o crescimento econômico para aqueles que exploram o trabalho escravo. Ele não fez nenhum juízo de valor dizendo se isso seria algo bom ou ruim.Se ele era burro e não conseguia pereber que o trabalho asalariado trazia maiores ganhos econômicos do que o trabalho escravo , isso só mostra que ele era burro e não entendi nada de econômia. Mais ele não falou que a escravidão seria algo bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .

      Você mudou o sentido, tanto do que eu disse como também mudou o que Marx disse.

      Eu não disse que Marx disse que a escravidão seria algo bom...
      Eu disse o seguinte:

      "Para Karl Marx a escravidão negra na América tinha um "lado bom" !"
      Percebeu a diferença ?

      Vamos agora repetir o que Marx disse:

      "Quanto à escravidão, não há nenhuma necessidade para mim falar de seus aspectos maus.
      A única coisa que requer explanação é o lado bom da escravidão."

      Ou seja, Marx disse que a escravidão tinha UM LADO BOM.
      Percebeu a diferença ?

      E dizer que a escravidão tem "um lado bom" é sim fazer um juízo de valor.

      .

      Excluir

    2. .

      Quanto a Marx ser burro, não, não era.

      Desconhecer um ramo da ciência de forma alguma classifica uma pessoa como burra !
      Marx não sabia economia, mas isso não o torna um burro.

      Marx fez tudo que fez por traumas pessoais que criaram nele um profundo ódio contra deus e contra a sociedade de seu tempo.

      .

      Excluir

    3. .

      Quanto a escravidão trazer desenvolvimento econômico para quem a explora não é correto.

      No Brasil a escravidão foi maior no nordeste, nos engenhos de cana-de-açúcar, entretanto, o nordeste nem com 380 anos de escravidão conseguiu desenvolvimento econômico.

      No EUA também foi a mesma coisa, a escravidão existia no sul do EUA, porém, a parte do EUA que criou desenvolvimento econômico foi o norte - depois que erradicou a escravidão e iniciou a industrialização e o trabalho assalariado.

      A escravidão sempre existiu dentro da África por milhares de anos, o último país do mundo a abolir a escravidão foi um país da África, a Mauritânia, e nem tendo escravidão negra por milhares de anos a África conseguiu ter desenvolvimento econômico.

      .

      Excluir
  2. Arnaldo, pobrezinho... tsc tsc... desconhece o que é ironia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você é um analfabeto que não conhece o significado das palavras da língua portuguesa.

      No texto foi escrito por mim:

      "Esta carta nada mais é do que crítica e sarcasmo de Marx contra Proudhon,"

      Marxista analfabeto, vc sabe o significado da palavra "sarcasmo" ?
      Não, não é.
      Vou colocar o que o Dicionário Aurélio diz sobre o significado das palavras "sarcasmo" e "ironia":

      "sarcasmo"
      [Do gr. sarkasmós, pelo lat. tard. sarcasmu.]
      Substantivo masculino.
      1.V. zombaria:

      "ironia"
      [Do gr. eironeía, ‘interrogação’, ‘dissimulação’, pelo lat. ironia.]
      Substantivo feminino.

      2. Contraste fortuito que parece um escárnio:
      3.Sarcasmo, zombaria"



      Percebeu marxista analfabeto?

      "sarcasmo" e "ironia" são sinônimos.

      Mas, tudo q foi dito por Marx na carta só existia dentro da sua torpe cabeça, Proudhon jamais disse nada do que Marx disse.

      Excluir
  3. Aos leitores do blog.

    As 3 palavras da língua portuguesa que podem ser usadas para classificar o tipo de discurso que Marx usou na carta, "sarcasmo", "ironia", "escárnio", todos eles podem significar 'zombaria", mas este é um significado que não se adequa, Marx não estava zombando, ele estava falando sério, tanto assim que na descrição da carta o marxist.org dá a ela importância como documento crítico; Marx também não estava ironizando no principal significado desse termo que seria "falar opostos", ele fala coisas que a escravidão realmente fez, como a produção de algodão e do comércio, coisas do mercantilismo, mas, dai dizer que a escravidão tem "um lado bom" extrapola a ética, desta forma, a palavra que mais se adequa ao discurso marxista na minha opinião é "escárnio", em seu segundo significado "desdém", "escarnecimento" no Aurélio que coloco abaixo:

    "escárnio"
    [De escarnir.]
    Substantivo masculino.
    1.V. zombaria.
    2.Menosprezo, desprezo, desdém. [Sin. ger.: escarnecimento.]


    Marx fez isso para tentar desmerecer o texto de Proudhon de quem ele tinha muita inveja e raiva, por ser Proudhon o principal intelectual e líder socialista da Europa da época.





    ResponderExcluir