A alienação

A alienação

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Por que a Islândia, que tinha a melhor qualidade de vida (IDH) do planeta, faliu ? Como as sociais-democracias conseguem manter seus bons IDHs ?


Nos colunistas da Folha cheguei ao seguinte artigo que coloco apenas os dois primeiros parágrafos:

hélio schwartsman
20/04/2013 - 22h00
Delícias da burocracia

SÃO PAULO - A pílula do dia seguinte é oferecida de graça na rede púbica, mas muitos postos de saúde exigem receita médica para fornecê-la. Pegadinha: marcar uma consulta ginecológica pelo SUS leva até dois meses e o medicamento só funciona se tomado até cinco dias após a relação sexual desprotegida.
Casos de disposições burocráticas absurdas ou pelo menos muito esquisitas é o que não falta. Acho até que nutrimos um prazer meio masoquista em identificá-las e ridicularizá-las. Não é mera coincidência que uma das definições de "burocracia" no meu "Houaiss" registre: "Estrutura ineficiente, inoperante, morosa na solução de questões e indiferente às necessidades das pessoas".
.....

Schwartsman coloca a culpa na burocracia...
A opinião dele é superficial, ingênua até, a culpa não é da burocracia do estado, a culpa é daqueles que querem que o estado faça coisas para as quais não foi criado para fazer pois não tem competência para fazer.
O estado dar pílulas para não engravidar para o povo é uma coisa absurda... sem sentido, numa nação como o Brasil milhões de pessoas podem precisar dessa pílula todos os meses!
De onde o estado que nada produz vai tirar dinheiro para fazer isso ?
Cobrando impostos dos que produzem ?
Mas que tipo de cidadão esse estado quer que exista ?
Quer que existam cidadãos que paguem impostos para que ele possa dar pílulas para pessoas não engravidarem ?
Então agora parte dos brasileiros trabalham para isso ?
Isso é revoltante, isso não é função do estado, isso cabe a cada pessoa ter competência para comprar a sua pílula e não esperar que o estado lhes dê.

Bom, mas sabemos a origem desse absurdo....
É a alienada idéia "revolucionária" que acha que o estado deve suprir todos os "direitos" das pessoas.
É a alienada idéia de fazer "solidariedade" com o dinheiro do trabalho alheio.
Ou dizendo de forma mais clara - é a idéia que quer roubar o dinheiro dos que trabalham e produzem para dar aos "oprimidos", mesmo que seja para a porcaria da pílula citada.

Essa alienada ilusão, essa neurose, já causou milhões de mortes, já levou dezenas de nações a falência no século XX, recentemente levou a Espanha, a Grécia e Portugal a falência, levou a Islândia a falência.


***


As sociais-democracias só possuem excelente qualidade de vida porque existem nações que precisam comprar a cara tecnologia que elas possuem e mandam em troca comidas e roupas para eles.

O tema deste texto é sobre a Islândia e as demais sociais-democracias e seus excelentes IDH,

A Islândia tinha o melhor IDH do planeta, mas.... faliu.
Por que faliu ?
Faliu porque não tinha competência para "dar" todos os "direitos" ao povo, mas, mesmo assim, a loucura dos que defendem essa idéia fez com que o estado continuasse a "dar" o que não tinha para dar, para isso a Islândia teve que emprestar dinheiro de países vizinhos para custear as despesas na forma de investimentos, chegou uma hora que teve que pagar, não tinha dinheiro, faliu.
Mas, os credores, em especial Inglaterra e Holanda, querem receber, em vista da cobrança vejamos o que dizem os "solidários" islandeses que gostam de viver uma vida de alta qualidade sem entretanto merece-la:

Notícia no site "Esquerda.net"

http://www.esquerda.net/dossier/isl%C3%A2ndia-popula%C3%A7%C3%A3o-volta-dizer-n%C3%A3o-ao-pagamento-da-d%C3%ADvida-da-banca

Islândia: população volta a dizer "não" ao pagamento da dívida

dossier | 16 Abril, 2011 - 00:20
Os islandeses votaram, novamente, em referendo que o Estado não deve pagar a dívida de cerca de quatro bilhões de euros à Holanda e ao Reino Unido. De acordo com os resultados anunciados, o "não" ganhou com quase 60 por cento.
Na Islândia, a palavra de ordem “não pagamos a crise deles” é mesmo o mote que indica o caminho.
.....


E ainda tem coragem de dizer que "não pagamos a crise deles" !
Coisa típica dessa ralé, que claro, o "esquerda.net" vai apoiar.
Quem está em crise são eles e não a Inglaterra e a Holanda !
Lá no site do "esquerda.net" tem mais artigos falando da "luta" dos islandeses... o que nos causa surpresa !
Não sabíamos, mas na Islândia a alienação "revolucionária" domina e governa a nação !
E levou a nação a falência.
A Islândia atual é governada por socialistas da "Aliança Social Democrática" em coalizão com o "Movimento de Esquerda Verde", ou seja, é a mesma turma que aqui no Brasil são chamados de "companheiros' ou "humanistas', por isso são apoiados pelo "esquerda.net".

Economia da Islândia

A economia da Islândia sempre dependeu da pesca, mas como sabemos, somente a pesca não leva nenhuma nação a ter o melhor IDH do planeta, a pesca participa com 12% do PIB e 7% dos empregos na Islândia.

Dados econômicos da Islândia

PIB: 12,95 bilhões de dólares em 2012
PIB per capita: 39400 dólares em 2012
Composição do PIB por setor:
Agricultura: 5.3%
Industria: 24.4%
Serviços: 70.3%
Carga tributária:  40,3% do PIB
Déficit fiscal atual:  2,3% do PIB
Dívida Pública:
    118.9% do PIB em 2012
128.6% do PIB em 2011
Exportação: 5.1 bilhões de dólares em 2012
Importação:  4, 699 bilhões de dólares em 2012

Devemos observar a relação entre o PIB e as exportações, as exportações da Islândia correspondem a 40% do seu PIB.

Comparemos com o Brasil:
PIB 2012:  2,362 trilhões de dólares.
Exportações:  256 bilhões de dólares
Corresponde a 11% do PIB.

Ou com a Argentina
PIB em 2012:  747 bilhões de dólares
Exportações: 85,3 bilhões de dólares
Corresponde a 11% do PIB

Ou com o EUA:
PIB em 2012: 15,66 trilhões de dólares
Exportações em 2012:  1,612 trilhões de dólares.
Corresponde a 10,2% do PIB

Ou seja, a Islândia vive em grande parte em função das suas exportações, que são de "serviços" em tecnologia, em troca de comida e outras mercadorias não manufaturadas.
Países como Brasil, Argentina e EUA dependem pouco das exportações e muito mais da produção interna (PIB).



Para conseguir o seu excelente IDH a Islândia diversificou sua economia com indústrias de manufatura e serviços, e especialmente em produção de software, biotecnologia e turismo.
Para isso foi ajudada por investimento estrangeiro, em especial inglês e holandês na área de produção de energia e mineração de alumínio.
Empresas de alta tecnologia se estabeleceram na Islândia.
Em vista dessas condições econômicas a Islândia era altamente dependente das suas exportações e de lucros de filiais de suas empresas pelo mundo.

Entretanto, a Islândia era a mais fraca das sociais-democracias escandinavas e com a crise de 2008 teve afetada a continuidade dos investimentos externos e de suas exportações, a sua principal mercadoria, a pesca, não foi suficiente e a Islândia foi a falência

As demais nações sociais-democratas

As demais nações que são chamadas de "sociais-democracias", o que já deixaram de ser a muito tempo porque hoje são estados dominados por camuflada ideologia socialista, Suécia, Noruega e Finlândia, ainda não faliram porque possuem maior tecnologia, com menor dependência de financiamento externo, e a vendem para as nações do mundo que não tem e isso sustenta a artificial boa vida que ostentam...

Vejamos alguns dados econômicos:

Finlândia

PIB 2012:  191 bilhões de dólares
Composição do PIB em 2012:
Agricultura: 3.3%
industria: 27.1%
Serviços: 69.6%
Carga tributária: 52,3% do PIB
Dívida Pública:  53,3% do PIB
Exportação:  72,7 bilhões de dólares (38% do PIB)
Importação: 72,2 bilhões de dólares

Suécia
PIB 2012:  396 bilhões de dólares
Composição do PIB em 2012:
Agricultura: 1.8%
Industria: 27.3%
Serviços: 70.9%
Carga tributária: 55,3% do PIB
Dívida Pública:  38,6% do PIB
Exportação:  177,6 bilhões de dólares (45% do PIB)
Importação:  166,4 bilhões de dólares

Noruega
PIB 2012:  278 bilhões de dólares
Composição do PIB em 2012:
Agricultura: 2,7%
Industria: 41,4%
Serviços: 55,7%
Carga tributária: 56,6% do PIB
Dívida Pública:  30,3% do PIB
Exportação:  162,7 bilhões de dólares (58,5% do PIB)
Importação: 86,78 bilhões de dólares

Como vemos, todas as sociais-democracias são perigosamente dependentes das exportações, se acontecer uma grande diminuição no comércio mundial elas estarão com sérios problemas para manter os excelentes IDHs que possuem.


As "sociais-democracias" só possuem excelente qualidade de vida porque existem nações que as sustentam comprando tecnologia e mandando em troca comida e roupas para elas, no dia em que todas as nações do mundo possuírem tecnologia, se é que isso um dia vai existir, nações como as "sociais-democracias" não existirão mais porque não terão mais quem as sustente.
Ou mesmo, se acontecer uma recessão mundial que afete o comércio mundial, as sociais-democracias serão as maiores afetadas e terão sua boa vida diminuída.

Em um mundo futuro, onde todas as nações forem desenvolvidas e conseguirem fazer o que precisam para seu povo usar sem precisar comprar de outra nação, por exemplo celulares, remédios, aviões, navios, carros, notebooks, etc, apenas terão excelente qualidade de vida as nações que conseguirem baixar os custos de produção ao mínimo.
E não mais poderão aplicar as exorbitantes cargas tributárias que as atuais sociais-democracias aplicam, que com toda certeza é pago por uma minoria de pessoas que trabalham e produzem em prol de uma maioria improdutiva.

Nas nações do futuro, espero, não existirá mais o pesado fardo do estado "provedor" para as pessoas produtivas carregarem, cada pessoa terá que fazer por merecer  com seu trabalho e esforço o que necessita para viver.
O estado não poderá mais ser "provedor" por causa de uma razão empírica.

Oxalá essa sociedade no futuro venha a existir para que a injustiça hoje em larga escala aplicada contra a parte da humanidade que trabalha e produz não mais exista.


***

Nenhum comentário:

Postar um comentário