A alienação

A alienação

quarta-feira, 21 de março de 2018

Socialistas defendendo "direitos humanos" é uma contradição absurda!

No Ocidente atual existem muitas pessoas inocentes defendendo - talvez sem saber - o opressor socialismo.

São pessoas inocentes (úteis) que acham que estão defendendo "direitos humanos", mas, na verdade, estão dando apoio e elegendo socialistas radicais que se assumirem o poder vão instalar a ditadura do proletariado marxista e nela não existe "direitos humanos" algum, não existe individualismo, o socialismo é, em teoria porque na prática sempre foi o domínio de um grupo sobre os demais, um culto ao grupo e o combate ao indivíduo como um ser livre, no socialismo o pensamento vigente é o do partido comunista no poder, o único partido existente em uma nação socialista, nenhum outro partido tem direito de existir.


Presos políticos
                                        Venezuela

É um absurdo contraditório ver integrantes de partidos socialistas dizendo que defendem "direitos humanos" e democracia!
Mas, como pode ser isso se eles sempre defenderam Cuba, URSS e demais ditaduras socialistas?
Como pode ser isso se os integrantes dos partidos socialistas são defensores da Coréia do Norte, de Cuba e da Venezuela?
Nações onde os "direitos humanos" foram banidos a muito tempo!
Como podem defender "liberdade" se em nenhuma nação socialista que já existiu e ainda existem jamais existiu liberdade?

Como podem dizer que defendem democracia se a base do socialismo é a ditadura do proletariado ?

Presos políticos
Cuba

Eu costumo dizer que o socialismo é a religião dos ateus... porque no socialista existe a fé inabalável na crença ilusória.
Mesmo diante das mais claras evidências contra a ilusão que defendem os seguidores do socialismo (não os chefes e líderes) continuam a defender as pregações da ideologia socialista...

A maioria de tais inocentes úteis nega que sejam socialistas!
Mas, continuam a defender os corruptos líderes socialistas disfarçados de defensores de "direitos humanos", liberdade e democracia!

Na Europa Ocidental parece que estão acordando dessa hibernação socialista e começando a rejeitar as teses ilusórias e falsas dessa ideologia, no Brasil, que é sempre o último a perceber a realidade, ainda vai demorar bastante


Na Europa Oriental ninguém mais quer ouvir falar de socialismo porque já sentiram na carne o que é essa ideologia.


 ***



Título de livro

Isso é um grande absurdo!
Marx jamais falou de direitos humanos em seus escritos, nos escritos de Marx temos 3 temas:

Crítica de Economia Política.
Crítica aos filósofos da sua época.
Crítica das revoluções comunista fracassadas da sua época.

 
No Manifesto comunista escrito por ambos podemos ler:

"2. O Socialismo Conservador ou [Socialismo] Burguês

Uma parte da burguesia deseja remediar os males sociais para assegurar a existência da sociedade burguesa.
A ela pertencem: economistas, filantropos, humanitários, melhoradores da situação das classes trabalhadoras, organizadores da caridade, protectores dos animais, fundadores de ligas anti-alcoólicas, reformadores ocasionais dos mais variados.
E também este socialismo burguês foi elaborado em sistemas completos.
Como exemplo mencionamos a Philosophie de la misère, de Proudhon.

Os burgueses socialistas querem as condições de vida da sociedade moderna sem as lutas e perigos delas necessariamente decorrentes. Querem a sociedade existente deduzidos os elementos que a revolucionam e dissolvem. Querem a burguesia sem o proletariado.

A burguesia, naturalmente, representa-se o mundo em que domina como o melhor dos mundos.
O socialismo burguês elabora, a partir desta representação consoladora, um meio sistema ou um sistema completo.
Quando exorta o proletariado a realizar estes sistemas (13*) e a entrar na nova Jerusalém, no fundo só lhe pede que fique na sociedade actual, mas que se desfaça das odiosas representações que faz dela."


E na Mensagem da Diretoria (Marx e Engels) a Liga dos Comunistas podemos ler:

"Compreende-se que nos conflitos sangrentos que estão iminentes (está se referindo a guerra civil prussiana de 1850), como em todos os anteriores, são principalmente os operários que, pela sua coragem, a sua decisão e abnegação, terão de conquistar a vitória.

Como até agora, os pequeno-burgueses em massa estarão enquanto possível hesitantes, indecisos e inactivos nesta luta, para, uma vez assegurada a vitória, a confiscarem para si, exortarem os operários à calma e ao regresso ao seu trabalho [a fim de] evitar os chamados excessos e excluir o proletariado dos frutos da vitória.

Não está no poder dos operários impedir disto os democratas pequeno-burgueses, mas está no seu poder dificultar-lhes o ascendente perante o proletariado em armas e ditar-lhes condições tais que a dominação dos democratas burgueses contenha em si desde o início o germe da queda e que seja significativamente facilitado o seu afastamento ulterior pela dominação do proletariado.

Durante o conflito e imediatamente após o combate, os operários, antes de tudo e tanto quanto possível, têm de agir contra a pacificação burguesa e obrigar os democratas a executar as suas actuais frases terroristas.

Têm de trabalhar então para que a imediata efervescência revolucionária não seja de novo logo reprimida após a vitória.
Pelo contrário, têm de mantê-la viva por tanto tempo quanto possível.

Longe de opor-se aos chamados excessos, aos exemplos de vingança popular sobre indivíduos odiados ou edifícios públicos aos quais só se ligam recordações odiosas, não só há que tolerar estes exemplos mas tomar em mão a sua própria direcção."