A alienação

A alienação

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Por que a polícia prende e a justiça solta ?

 "A polícia prende e a justiça solta"

 

Esse lema popular é falso, é uma mentira que repetida milhares de vezes virou verdade.

Vamos colocar um artigo e depois fazer comentários;

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1006200709.htm

A força moral do Judiciário
CLÁUDIO JOSÉ MONTESSO

VIVEMOS UM momento particularmente preocupante na vida pública brasileira.
A preocupação não é apenas com os escândalos que se apresentam quase todas as semanas ou com a descoberta de que figuras públicas, de quem se esperava um comportamento idôneo, estão envolvidas em graves desvios de conduta.
Tudo isso nos causa indignação, revolta e constrangimento, mas, uma vez denunciados e devidamente processados e punidos, não nos deve mais causar preocupação.
O que nos preocupa de fato é a abordagem dada à instituição Poder Judiciário e como a população de modo geral tem absorvido essas informações.
Não estamos nos referindo aos juízes, desembargadores e ministros denunciados, mas sim às irrefletidas referências a um Poder que é um dos esteios no qual se assenta o Estado democrático de Direito.
Ouviu-se todo o tempo que "a polícia prende e a Justiça solta".
Trata-se de mais um daqueles equívocos que, repetidos à exaustão, se transformam em suposta verdade para quem, desconhecendo os meandros do Judiciário, quer acreditar que nada mais se salva nesse país, nem mesmo a Justiça.
Nada mais falso.
Se há prisões, é porque antes houve uma ordem judicial que a determinou.
Se há determinação de que sejam soltos, é porque, diante do que diz a lei, não há mais motivo para que se mantenha a privação da liberdade.
É preciso lembrar que as prisões determinadas são temporárias e têm a finalidade apenas de assegurar o curso das investigações.
Não há ainda condenação final que determine o encarceramento definitivo.
Até mesmo autoridades públicas, que devem conhecer os adequados procedimentos judiciais -note-se que estamos nos referindo a procedimentos básicos-, criticam decisões ainda que com base em supostos dados, sabidamente incorretos.
Nunca é demais lembrar que em passado não tão distante assim, de insegurança institucional generalizada e desrespeito à liberdade pessoal e de imprensa, sob um aparato estatal e político repressor, coube ao Poder Judiciário o resguardo da cidadania e da democracia.
Os juízes do trabalho, sempre comprometidos com a construção de um Judiciário forte e respeitado, não se furtaram de denunciar e protagonizar as lutas para o fim do nepotismo e para a fixação de um teto salarial moralizador no setor público.
Porém não podem concordar com a sanha quase irresponsável utilizada nas referências ao Judiciário brasileiro.
Em um país de sérios percalços institucionais, a sociedade precisa conhecer de maneira ampla e democrática os procedimentos judiciais para poder avaliar corretamente a Justiça e sua contribuição para o fortalecimento de uma sociedade mais justa, distributiva e, sobretudo, solidária.
A atuação firme e prudente do Poder Judiciário brasileiro não pode ser desqualificada de maneira irresponsável sob o pretexto de coibir excessos cometidos por alguns de seus integrantes, nem isso pode servir de justificativa para embaraçar o exercício das funções da magistratura.
Ela mesma, ao mesmo tempo em que defende suas prerrogativas essenciais, por imprescindíveis à prestação jurisdicional e à cidadania, se empenha na consolidação do Judiciário, buscando o aperfeiçoamento das instituições.
Absolutamente consciente do seu papel no fortalecimento da democracia, a magistratura do trabalho permanecerá na defesa de um Judiciário verdadeiramente acessível, não verticalizado, transparente e ético, dotado de mecanismos ágeis e eficientes, capazes de democratizar o acesso à Justiça e garantir a integridade da prestação jurisdicional.
Mas também zelará para que seja ele respeitado e reconhecido por suas qualidades, lembrando que são milhares de juízes em todo o país, mas muito poucos aqueles que denigrem a instituição.
Por isso mesmo, não pode aceitar que se confunda controle social com a desqualificação de um dos Poderes republicanos, cujo princípio fundamental é a garantia do Estado democrático de Direito.
A capacitação técnica e a força moral do Poder Judiciário são o seu maior patrimônio, e somente por meio delas pode impor suas decisões.
Dessa forma, os ataques que sofre, como instituição, fragilizam a sua atuação, a figura do juiz e, conseqüentemente, a própria democracia.

CLÁUDIO JOSÉ MONTESSO , 44, juiz titular da 58ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro e professor licenciado de direito processual civil da Universidade Católica de Petrópolis (RJ), é presidente da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho).


Comentário:

Vamos colocar uma situação comum no dia-a-dia policial, um bando de bandidos assalta um banco, atira nos seguranças e rouba uma quantia em dinheiro.
Dois dias depois, devido a identificação das câmaras de vigilância, um deles é preso pela polícia, passa um dia na cadeia, é indiciado, e é solto!
A justiça "mandou" soltar...

Não foi bem isso, a LEI mandou soltar.
O advogado do bandido entrou com o pedido de soltura na justiça porque A PRISÃO NÃO FOI EM FRAGANTE, ou seja, a prisão não se deu no momento em que o bandido estava praticando o assalto, a prisão foi dois dias depois, o que, SEGUNDO A LEI BRASILEIRA, da direito ao bandido de RESPONDER EM LIBERDADE ao processo.
Durante o processo o bandido vai ficar em liberdade.
Isso não acontece PORQUE A JUSTIÇA QUER, isso acontece porque A LEI FEITA NO CONGRESSO BRASILEIRO ASSIM DETERMINA.

Se existe um culpado esse culpado são os senadores e deputados federais, foram eles que criaram essa lei e não os juízes e desembargadores de justiça.

Os legisladores brasileiros conseguiram introduzir na Constituição o princípio "da presunção da não-culpabilidade ou presunção da inocência", ou seja, mesmo que existam provas cabais da culpa do réu ele não pode ser preso antes do "trânsito em julgado" que é quando o réu foi declarado pela justiça como culpado (ou inocente) e não existem mais chances de recursos no processo e a decretação da prisão poderá finalmente ser expedida.
Mesmo neste caso o réu pode não ir para a cadeia se sua pena for menor que 4 anos, assim decreta a lei.

Por exemplo, após o término do processo penal um bandido é condenado a dois anos de prisão... porém, esse bandido não irá para a cadeia !
Sendo a pena de "apenas" dois anos, A LEI DETERMINA que esse bandido não vá cumprir sua pena preso na cadeia, ele vai cumprir sua pena em liberdade!
A pena desse bandido será cumprida em REGIME ABERTO.
A LEI BRASILEIRA ASSIM DETERMINA e os juízes são OBRIGADOS a agir de acordo com a lei.

Alem dessas, existem uma infinidade de casos onde o advogado do réu pode pedir "habeas corpus" - fundamentado em alguma lei - e soltar seu cliente preso, juízes podem até postergar essa soltura, mas, ao final vão ter que seguir A LEI e libertar o preso, que vai responder ao processo em liberdade.

Desta forma, a frase "A polícia prende e a justiça solta." é falsa, não é verdade que é a justiça que solta, quem solta é a lei.

A lei ficou desta forma absurda pela ação dos "direitos humanos" defensor de bandidos.
Os "direitos humanos" tem por trás de si socialistas e marxistas "culturais", gente que quer destruir a sociedade ocidental.
Defender bandidos é uma excelente forma de causar o caos na sociedade.

Tais leis tem por autores deputados e senadores "progressistas", "liberais", gente do PC do B, do PSOL, do PT, do PSB,  do PSDB, de todos os partidos "de esquerda" do Brasil, que são maioria esmagadora no Brasil.
E essa ralé ainda conseguiu colocar a culpa do que fizeram no judiciário!

Obs. Caso, finalmente, o réu vá preso, além de passar a viver as custas do estado a família dele pode requerer o "auxílio-reclusão" se o preso em algum momento contribuiu para o INSS.
Em 2012 o INSS pagou um total de R$ 22.872.321,00 desse benefício, com um valor médio de R$ 681,86 por família.
Tais leis absurdas que existem no Brasil são o resultado da total esquerdização do Brasil, é resultado dos brasileiros elegerem esquerdistas para governar o Brasil, coisa que a maioria dos brasileiros fazem sem saber!

A maioria dos brasileiros vota em socialistas sem saber, porque hoje eles estão disfarçados de "defensores do planeta", "defensores dos animais", "defensores da floresta", "defensores dos direitos humanos", "defensores da paz", e outras coisas mais.

Na verdade não são nada disso, são a mais suja ralé que a humanidade já produziu, a história miserável das nações que adotaram o socialismo no século XX é a prova disso, mas, eles são mestres na arte da mentira, da dissimulação, do "faz de conta", e enganam a todos.


*** 
 
 
 
 
 
 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Qual é a diferença entre capitalismo e socialismo ?

Entre as nações que implantaram o socialismo e o capitalismo, qual desses dois sistemas deu ao povo melhor qualidade de vida, igualdade social e liberdade, e quais são as diferenças mais importantes entre o socialismo e o capitalismo quando colocados em prática ?


Capitalismo,
Segundo o inventor da palavra, Karl Marx (1.818-1.883), era o sistema econômico da sociedade que existia "nos países civilizados" da sua época, a Inglaterra, França, Alemanha, Suíça, Itália, Holanda, EUA, etc.
Segundo a opinião de Karl Marx era uma sociedade onde existia uma classe dominante, a burguesia, e uma classe dominada, os proletários, o poder de dominação exercido pela burguesia provinha da propriedade privada dos meios de produção.


Trabalhadores de fábricas do início do capitalismo na Inglaterra

Socialismo,
Também segundo Karl Marx, era uma "fase de transição" que existiria depois da derrubada da burguesia através da "revolução do proletariado' e subsequente implantação da "ditadura do proletariado' onde os proletários, conduzidos pelos intelectuais comunistas "utilizariam sua supremacia política para arrancar pouco a pouco todo o capital da burguesia, para centralizar todos os meios de produção nas mãos do Estado, isto é, do proletariado organizado em classe dominante", com isso, prometia Karl Marx, essa sociedade socialista se transformaria em uma sociedade sem classes e chegaria a sociedade comunista.

Revolução do proletariado, o grande anseio de Karl Marx para implantar o socialismo

Como mencionamos, estas duas definições foram feitas por Karl Marx, são definições baseadas na opinião pessoal de Karl Marx.

Passaremos a seguir a fazer uma descrição mais abrangente e diversificada sobre capitalismo e socialismo baseada no contexto histórico do século XIX e XX.


Capitalismo

 

  MERCANTILISMO (1.500-1.800)

Em 1.800 a sociedade ocidental estava terminando a Idade Moderna, o Mercantilismo, e estava entrando em uma nova era, a Idade Contemporânea, nessa nova fase histórica a democracia e o liberalismo econômico passaram a existir, mas, eu seu início ainda sofriam com a herança da época colonial mercantilista.

No início do século XIX (a partir do ano de 1.800) parte da sociedade ocidental (Europa Ocidental e América do Norte) estavam saindo do período histórico colonial chamado Mercantilismo, no Mercantilismo os meios de produção usavam escravos, nas colônias, para executar o trabalho, no Brasil os escravos foram usados até 1.888 quando então, já no império, a escravidão acabou.
A Inglaterra, EUA e demais nações haviam acabado de libertar os escravos e passaram a remunerar o trabalho através de salário, séculos de escravidão haviam tornado as condições dos trabalhadores miseráveis, os meios de produção ainda eram poucos e rudimentares, por isso, no início do novo sistema político-econômico as condições dos trabalhadores eram péssimas e os salários muito baixos.
Essa péssima condição de trabalho dos trabalhadores não era por causa do novo sistema, mas sim devido ao contexto histórico no final do período colonial escravocrata.

A cidade de Londres em 1.837, era ainda uma cidade onde muita pobreza existia, mas, já dava mostras que a vida iria melhorar, 60 anos depois a vida do povo inglês havia melhorado consideravelmente.

Essa nova forma de produção iniciou-se na Inglaterra, três circunstâncias históricas principais colaboraram para o surgimento desse novo sistema político-econômico:

1. a democracia parlamentarista;
2. a revolução industrial e a divisão do trabalho;
3. as teorias liberais de John Locke (1.632-1.704) e Adam Smith (1.723-1.790) .



Comentemos estas três circunstâncias.

1. A Inglaterra desde 1707 havia abolido o poder absolutista real, adotado a democracia representativa e colocado o poder político nas mãos do Parlamento, uma das Casas do Parlamento era eleita democraticamente pelo povo e o partido vencedor escolhia um primeiro-ministro que governaria a nação usando princípios constitucionais do Estado de Direito democrático.
Esta foi a primeira democracia parlamentarista implantada na humanidade.

House of Commons
O Parlamento inglês em 1.707

2. A Revolução Industrial iniciada na Inglaterra em 1.750 havia transformado o modo de produção artesanal que existia até então.
Com a invenção das máquinas o trabalho humano que até então era totalmente manual e individual passou a ser compartilhado, os trabalhadores passaram a compartilhar o trabalho através do sistema que ficou conhecido como "divisão do trabalho", neste sistema a fabricação de um sapato por exemplo não seria mais feito por apenas uma pessoa do começo ao fim, as diversas partes do sapato passaram a ser feitas de forma seqüencial em uma "linha de montagem" por trabalhadores especializados.
Com estes dois fatores, as máquinas e a divisão do trabalho, a produção de unidades de uma mercadoria aumentou consideravelmente, um artesão demorava um dia para fazer um sapato, com o novo sistema 10 trabalhadores compartilhando o trabalho em uma linha de montagem faziam 100 sapatos em um dia!


Com o surgimento das máquinas o modo de produção que por milênios era em função do trabalho braçal, mudou para o trabalho industrial e propiciou a divisão do trabalho, com isso a produção de mercadorias para uso do povo aumentou consideravelmente.

Antes da Revolução Industrial (1750-1850) as mercadorias eram feitas por artesões, o artesão fazia a peça completa, era um trabalho demorado e caro. 
Com a Revolução Industrial surgiu a "divisão do trabalho", as fábricas, e nelas cada trabalhador se especializava em fazer uma parte da mercadoria, esse sistema aumentou a produtividade e diminuiu os preços das mercadorias.

3. John Locke e Adam Smith foram os filósofos que edificaram as teorias política e econômica do novo sistema.

Primeira edição do Essay Concerning Human Understanding
John Locke, 1.689.

O novo sistema recebeu o nome de LIBERALISMO.
A teoria liberal idealizada por Locke e Smith tem as seguintes características principais:

- democracia representativa com partidos políticos disputando através de eleições o poder político.
- Estado de Direito democrático.
- liberdade individual política e econômica, qualquer pessoa pode se expressar livremente e se candidatar em eleições, qualquer pessoa pode iniciar uma empresa privada em qualquer atividade econômica, pequena, média ou grande.
- pouca interferência do estado na economia (isso não quer dizer que não existam leis e regras para monitorar e controlar as ações humanas na economia, elas existem).
- propriedade privada dos meios de produção.
- trabalho remunerado através de salário fixado em conjunto com sindicatos trabalhistas com base inicial em um "salário mínimo".
- mercado livre e competitivo onde os preços das mercadorias são determinados pela lei da oferta e da procura.
- leis "anti-trust' para evitar a associação de empresas que possam redundar em monopólio de determinada mercadoria.
- Bolsas de Valores onde as ações das empresas possam ser negociadas e adquiridas por qualquer pessoa.   Este é o principal mecanismo de crescimento e progresso econômico do capitalismo - o investimento da poupança da população nas empresas através da compra de ações.


A Riqueza das Nações
A teoria econômica do Liberalismo

Era desta forma que funcionava a sociedade na Inglaterra e demais países na época de Karl Marx, como já foi mencionado, este sistema estava em seu início, as condições econômicas herdadas do sistema colonial mercantilista eram precárias, as condições iniciais do trabalho eram muito ruins para o trabalhador, porém, com o grande aumento na fabricação de mercadorias - que eram destinadas para o consumo dos próprios trabalhadores - pouco a pouco as condições dos trabalhadores foram melhorando, já por volta de 1.850 estas condições estavam muito melhores que em 1.800, e em 1.900, 100 anos depois do início do novo sistema liberal, os trabalhadores ingleses desfrutavam de excelentes condições de trabalho e passaram a ter excelente qualidade de vida, uma qualidade de vida que jamais havia existido antes na humanidade.
Essa excelente qualidade de vida dos trabalhadores e da sociedade em geral também passou a existir no EUA, Canadá, Austrália, Alemanha, França, Itália, Suíça, Holanda, ou seja, nas nações que adotaram o sistema liberal.

Estas são as características do capitalismo, cujo nome correto como foi mencionado, é Liberalismo.


Sobre a América Latina

Nações como o Brasil, que até 1.888 ainda estavam usando trabalho escravo, por este motivo, continuaram com o povo pobre em péssimas condições sociais.
Essa situação de pobreza para o trabalhador continuou a existir por toda a América Latina que nunca aplicou o Liberalismo e onde muitas ditaduras e governos corruptos existiram.

Enquanto na Inglaterra os escravos não existiam mais e o trabalho passou a ser remunerado com salário, no Brasil os escravos ainda existiram por mais 80 anos.

Socialismo


Existiram diversas correntes de socialismo a partir do século XVIIII, porém, todas elas foram eliminadas a partir do final do século XIX e no século XX pelo "socialismo científico" marxista.
O marxismo se tornou a ideologia dominante do socialismo no século XX.

Em virtude deste fato devemos ir buscar nas palavras de Karl Marx as definições que nos expliquem o que era para Karl Marx o socialismo científico.

No Manifesto Comunista de 1.848 foi onde Karl Marx colocou as medidas que deveriam ser aplicadas após a tomada do poder e implantação do socialismo.

Karl Marx descreveu no Manifesto Comunista em 1.848 todas as ações que seus seguidores deveriam adotar após a tomada do poder para implantar o socialismo.
Tais orientações foram as seguintes:

"A luta do proletariado contra a burguesia embora não seja na essência uma luta nacional, reveste-se contudo dessa forma nos primeiros tempos.
E natural que o proletariado de cada pais deva, antes de tudo, liquidar sua própria burguesia.

O proletariado utilizará sua supremacia política para arrancar pouco a pouco todo capital à burguesia, para centralizar todos os instrumentos de produção nas mãos do Estado, isto é, do  e para aumentar, o mais rapidamente possível, o total das forças produtivas.
Isto naturalmente só poderá realizar-se, em princípio, por uma violação despótica do direito de propriedade e das relações de produção burguesas, isto é, pela aplicação de medidas que, do ponto de vista econômico, parecerão insuficientes e insustentáveis, mas que no desenrolar do movimento ultrapassarão a si mesmas e serão indispensáveis para transformar radicalmente todo o modo de produção.
Essas medidas, é claro, serão diferentes nos vários países.
Todavia, nos países mais adiantados, as seguintes medidas poderão ser postas:

1. Expropriação da propriedade latifundiária e emprego da renda da terra em proveito do Estado;
2. Imposto fortemente progressivo
3. Abolição do direito de herança;
4. Confiscação da propriedade de todos os emigrados e sediciosos;
5. Centralização do crédito nas mãos do Estado por meio de um banco nacional com capital do Estado e com o monopólio exclusivo;
6. Centralizarão, nas mãos do Estado, de todos os meios de transporte;
7. Multiplicação das fábricas e dos instrumentos de produção pertencentes ao Estado, arroteamento das terras incultas e melhoramento das terras cultivadas, segundo um plano geral;
8. Trabalho obrigatório para todos, organização de exércitos industriais, particularmente para a agricultura;
9. Combinação do trabalho agrícola e industrial, medidas tendentes a fazer desaparecer gradualmente a distinção entre a cidade e o campo;
l0. Educação pública e gratuita de todas as crianças, abolição do trabalho das crianças nas fábricas, tal como é praticado hoje. Combinação da educação com a produção material etc."

Karl Marx, Manifesto Comunista, 1848.

Obs.No Prefácio de uma edição posterior do Manifesto Marx disse que essas medidas, como já havia sido dito no original, deveriam ser adequadas a situação de cada país e que algumas delas poderiam sofrer modificações, porém, Marx parou por ai, não forneceu nenhuma informação de quais seriam essas possíveis alterações, Marx termina dizendo que o Manifesto era um documento histórico que não cabia a ele modifica-lo.

Tais medidas foram adotadas pelos marxistas ao longo do século XX em 50 nações do mundo que adotaram o socialismo.
Tais medidas são muito claras e de fácil compreenção, tem como foco principal a centralização das atividades políticas e econômicas nas mãos do estado socialista (proletariado organizado como classe dominante).


Países que no Século XX adotaram o socialismo (em vermelho).
2,2 bilhões de pessoas em 50 países viveram em nações socialistas no Século XX.
Os países em azul correspondem aos países que adotaram o Liberalismo (capitalismo).
Os países em verde claro eram chamados de "terceiro mundo", não eram nem liberais nem socialistas,.

Para efetuar essa centralização dos meios de produção no estado socialista (proletariado organizado como classe dominante). os líderes marxistas do século XX, como Lenin na URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), Mao Tse-Tung na China, Che Guevara em Cuba, e demais líderes marxistas na Alemanha Oriental, Polônia, Servia, Rep. Tcheca, Bulgária, Iugoslávia, Hungria, Vietnã, Camboja, Etiópia, Coréia do Norte, e dezenas de outras nações por todo o mundo criaram "Comitês"  nas cidades, nas regiões e o Comitê Central do Partido Comunista nas capitais, tais comitês implementaram todas as "medidas" indicadas por Karl Marx no Manifesto Comunista e centralizaram todos os meios de produção nas mãos do estado socialista (proletariado organizado como classe dominante), alem das demais medidas enumeradas por Karl Marx no Manifesto que também foram colocadas em prática.

 Reunião do Comitê Central da Alemanha Oriental (RDA) socialista em 1956

Reunião do Comitê Central do Partido Comunista cubano.

A propriedade privada dos meios de produção foi extinta, o sistema de salários "burguês" foi extinto, apenas um banco passou a existir, não existia mais herança, o transporte era centralizado no estado socialista (proletariado organizado como classe dominante), bem como todas as demais "medidas".



Lenin, Mao Tse-Tung e Che Guevara foram os construtores do estado socialista (proletariado organizado como classe dominante) na URSS, China e Cuba.

A mentalidade grupal do socialismo também foi implementada, o coletivo estava acima do indivíduo, com isso as liberdades individuais foram suprimidas e o direito de ir e vir passou a ser controlado.

Estas foram as características do socialismo que existiu em dezenas de nações do mundo no século XX.


Conclusão

De posse destas informações históricas podemos agora entender o que são 'capitalismo" e "socialismo" e enumerar quais são as suas principais diferenças.

Diferenças principais entre capitalismo e socialismo

1. Uma diferença entre capitalismo e socialismo é com respeito a liberdade individual.
No capitalismo existe prioridade para as liberdades individuais, toda pessoa tem liberdade política e liberdade econômica.
No socialismo a prioridade é para o coletivo, os interesses coletivos estão acima dos interesses individuais, não existe liberdade política individual, uma vez que a única força política dominante são os proletários no poder como classe dominante, também não existe liberdade econômica uma vez que todos os meios de produção estão centralizados no estado socialista (proletariado organizado como classe dominante).

2. Outra diferença fundamental é quanto ao sistema de produção econômico, no capitalismo a produção é baseada no empreendedorismo da iniciativa privada e no socialismo a produção é baseada na orientação dos "Comitês" que elaboram o "plano geral" determinado por Karl Marx no Manifesto, ao qual deram o nome de "Plano Quinquenal" onde toda a atividade econômica é planejada antecipadamente.

3. Outra diferença crucial é a forma pela qual a fabricação de mercadorias para abastecimento da população é efetuado, ou, em outras palavras, a forma como as necessidades de mercadorias da população é avaliada para saber o que deve ser produzido.
No socialismo os "Comitês" determinam antecipadamente através do "Plano Quinquenal" as quantidades de mercadorias a serem produzidas em uma determinada região baseados na quantidade de pessoas que ali existem.
No capitalismo as mercadorias a serem produzidas dependem da lei da oferta e da procura no mercado através do nível de preços das mercadorias - quando uma mercadoria sobe de preço no mercado é porque ela está faltando, portando devem ser produzidas, mercadorias que estão sobrando no mercado baixam de preço, portanto devem ser paradas de serem produzidas, é através do mecanismo de preços que o capitalismo "sabe" o que deve ser produzido e o que deve ser parado de produzir para que não ocorram "crises de superprodução".
O socialismo não possui esse mecanismo uma vez que não existe mercado nem preços das mercadorias, sua produção é baseada na quantidade de pessoas que existem na região, mas, as necessidades das pessoas variam muito!
Uma pessoa pode gastar um par de sapatos por ano enquanto outra gasta dois pares por ano.
Mesma coisa com as demais mercadorias, e esta condição não é homogênea, é heterogênea, e como o sistema de produção socialista é homogêneo, o resultado foi que nas nações que adotaram o socialismo ocorreram "crises de superprodução" com determinadas mercadorias sobrando, e "crises de desabastecimento" onde determinadas mercadorias faltavam para a população.
Tais crises de desabastecimento afligiram a vida das pessoas nos países socialistas no século XX.
Esse grave problema aconteceu, e ainda acontece nas nações socialistas que ainda existem, porque no socialismo não existe um mecanismo eficaz para indicar as necessidades de mercadorias da população em locais com grandes concentrações de pessoas (grandes cidades) e até mesmo no campo.
No capitalismo esse mecanismo existe - é o sistema de preços de mercado e é eficaz para orientar o sistema produtivo.

4. Outra diferença empírica fundamental é quanto ao progresso econômico e a qualidade vida da população.
O capitalismo mudou a condição social de diversas nações do mundo que até então mantinham sua população pobre, com o capitalismo diversas nações do mundo conquistaram grande progresso econômico e excelente qualidade de vida e igualdade social. Como exemplo podemos citar as ex-colônias Austrália, Canadá e Nova Zelândia, e também o Japão pós-guerra, dentre outras.
O socialismo por sua vez não conseguiu progresso econômico e manteve as populações nas nações onde foi adotado em condições sociais e econômicas precárias, como foi o caso da China onde milhões de chineses passavam fome e viviam em péssimas condições.
Dois povos exemplificam de forma clara essa diferença, os alemães e os coreanos, estes dois povos tiveram seu território dividido no século XX, em uma parte dele existia capitalismo, na outra parte existia socialismo.
A Alemanha Oriental era socialista e a Alemanha Ocidental era capitalista.
A Coréia do Norte era socialista (ainda é), a Coréia do Sul era capitalista (ainda é).
A Alemanha Ocidental capitalista conseguiu grande progresso econômico e excelente qualidade de vida para seu povo, a Alemanha Oriental socialista pelo contrário estagnou economicamente e manteve sua população em precárias condições.
A Coréia do Sul capitalista se tornou uma das nações mais desenvolvidas do mundo, enquanto a Coréia do Norte socialista permaneceu pobre e totalitária.

 Coréia do Norte - socialista

 Coreia do Sul - capitalista

Estas são as principais diferenças entre capitalismo e socialismo.



***






domingo, 17 de novembro de 2013

Viva o Chile comunista !



Aproveito o artigo de Clovis Rossi na Folha de S,Paulo para fazer alguns comentários sobre o Chile e sua sina socialista.


17/11/2013 - 02h00
O Chile, as urnas e a rua
Ouvir o texto


A socialista Michelle Bachelet se elegerá presidente do Chile ou hoje ou no segundo turno, no mês que vem.
Ganhar nas urnas, no entanto, será a parte fácil de seu percurso.
Difícil será ganhar da mobilização popular -especialmente estudantil- que ela própria já antevê: "O Chile mudou e se tornará mais difícil governar para qualquer presidente. Se não formos capazes de fazer as mudanças, e as pessoas começarem a tomar as ruas, não será responsabilidade de uma presidente, mas de um sistema político incapaz de responder aos desafios do Chile".

Sebastián Piñera, o presidente que Bachelet vai substituir, perdeu a rua e, com isso, inviabilizou a possibilidade de fazer o sucessor.
O máximo que pode conseguir é levar ao segundo turno a candidata do conservadorismo, Evelyn Matthei.
De Piñera para um quase certo novo governo Bachelet, os estudantes se radicalizaram.
A líder socialista trouxe o Partido Comunista para a sua coligação, a "Nova Maioria", e com ele veio a musa do protesto estudantil, Camila Vallejo, agora candidata.
Não resolve. Melissa Sepúlveda, que acaba de ser eleita presidente da Federação dos Estudantes da Universidade do Chile, principal centro estudantil, avisa: "Estamos colocando a necessidade de mobilização e do fortalecimento das organizações sociais e políticas surgidas nos últimos anos, seja qual for o governo a ser eleito. Vemos com desconfiança histórica e apoiada em mobilizações passadas as possibilidades reais de transformação por um governo da Nova Maioria".
Se Camila é comunista, Melissa se assume como anarquista, mais à esquerda ainda e mais inclinada a ganhar as ruas, sem falar no uso da violência.
A propósito: dois anarquistas chilenos acabam de ser presos na Espanha, acusados de colocar uma bomba na catedral de Zaragoza.
Não é à toa, portanto, que Bachelet tenha como prioridade 1 a reforma educativa, para tornar o ensino grátis, e como prioridade 2 uma reforma tributária que lhe permita elevar de 20% para 25% o imposto às grandes empresas, exatamente para financiar a gratuidade educacional.
Achar que o movimento estudantil é insuficiente para desestabilizar um governo é miopia.
Para financiar os estudos universitários, transformado pela sabedoria convencional em porta de entrada para o paraíso, os estudantes e suas famílias se endividam de uma maneira que, com o tempo, se torna insustentável.
A sociedade toda, portanto, acaba se envolvendo com a reivindicação da moçada, o que lhe dá a dimensão de problema principal a ser encarado pelo governo, qualquer que seja.
Por isso, está em xeque o próprio modelo chileno, estável e de bom crescimento (5,5% na média dos anos Piñera contra pouco mais de 4% nos anos Lula no Brasil): a mais recente pesquisa do Latinobarômetro mostra que menos de 20% dos chilenos acham que o governo age em benefício de todos, um dos piores resultados na América Latina.
É essa percepção que Bachelet terá que mudar se quiser ganhar também na rua.



Comentário:

Existem coisas, para pessoas e para nações, que precisam acontecer, pois se não acontecerem ficam indefinidamente latentes como germes sempre em gestação.
Uma dessas coisas é o Chile se tornar socialista-comunista com tudo que tem direito - partido único para poderem "fazer tudo certo" como Marx mandou, "intelectuais" no comando do "processo revolucionário", "intelectuais" conduzindo as ações dos proletários que não tem "espírito de classe" e por isso devem ser conduzidos pelos sábios "intelectuais" marxistas, os únicos que possuem a inteligência para fazer isso (Karl Marx, Manifesto Comunista, 1848), devem também é claro seguir as ordens de Marx e abolirem a propriedade privada e o sistema de salários produtores da odiosa "mais-valia", debem também acabar com os malvados bancos provados e fundar um banco do estado socialista, e por último, o maior prazer marxista - exterminar com a "burguesia" e tornar o Chile um país de proletários !
E assim devem permanecer por 50 ou mais anos, talvez 100 anos, até que a maravilhosa sociedade comunista surja com todo seu esplendor igualitário !

Como foi dito no artigo os chilenos "querem mudanças"... o Chile ser um oasis na miserável América Latina e seu povo ter excelente qualidade de vida não lhes é suficientemente bom !
Eles querem mudanças, e como o socialismo é um regime que nas diversas nações em que foi implantado trouxe para estas nações as mais miseráveis condições de vida... os chilenos querem adotá-lo para obterem mudanças... nada mais correto !
Os chilenos, com toda certeza, terão as mudanças que tanto, por décadas, almejam.

Isso precisa acontecer no Chile porque o Chile tem "vocação" socialista....

 Chile - 1940
Salvador Allende - um socialista no poder no Chile

O Chile elegeu o comunista Allende para presidente no século passado numa época em que o socialismo estava em franca efervescência no mundo com a URSS expandindo sua propaganda por toda parte e a tomada do poder em Cuba por Castro e Guevara fazia os "intelectuais" marxistas terem orgasmos múltiplos !
Porém, Pinochet tirou Allende do poder, e, apesar de Pinochet ter levado a Chile a ser uma das melhores nações do mundo, a ter um excelente IDH e qualidade de vida... os chilenos não desistiram do socialismo, o querem como um drogado quer sua droga preferida !
E nada os vai demover dessa alegoria, nem a boa qualidade de vida nem a realidade histórica que mostra as desgraças que o socialismo causou em diversas nações do mundo !

Michelle Bachelet - a nova socialista chilena

A ideologia revolucionária, em especial o marxismo, é uma doença incurável, essa doença só desaparece quando mata sua vítima, como foi o caso da URSS, como é o caso da Bulgária, agora livre do socialismo, que colocou na sua Constituição um antídoto para evitar que a desgraça do socialismo volte a existir na Bulgária.

Mas, o Chile ainda não provou do veneno que tanto sonha em ingerir !
Por isso devemos torcer para que o Chile finalmente tenha o socialismo tão sonhado por seu povo !

E que seja de forma completa e acabada como Karl Marx decretou no Manifesto Comunista !
Que seja um socialismo amplo, geral e irrestrito, e que assim permaneça por dezenas de anos !

Viva o Chile comunista !

As universidades chilenas produziram "musas" comunistas e anarquistas

A musa comunista
A musa anarquista

Vivas, vivas, estudantes revolucionários com suas "musas" anarquista e comunista desfilando pelas ruas como seus congêneres faziam em Barcelona em 1936 aos gritos de viva a revolução !
O Chile precisa disso !

 "Musas" espanholas de 1935.
O resultado?  -  700 mil mortos!

Por isso devemos gritar com toda força - VIVA O CHILE COMUNISTA !



***

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Aumentar as dívidas internas das principais nações do mundo até que se tornem impagáveis e as levem a falência é a estratégia revolucionária dos “intelectuais” do marxismo “cultural’ para que a previsão de Karl Marx da “crise final” do capitalismo aconteça e a revolução do proletariado a tempos tão esperada exploda com toda a sua violência por todo o mundo!



A algum tempo venho pensando em qual seria a estratégia do poder “progressista” dominante hoje no mundo para levar a sociedade ocidental, por eles desde e sempre denominada de “sociedade burguesa” capitalista, ao tão sonhado caos previsto por Karl Marx já em 1844 em um dos seus livros ?
Como eles estão “trabalhando”, o que eles estão planejando para que as previsões de Karl Marx se tornem realidade ?

O marxismo "cultural" dominou em Hollywood.
A muitos anos Hollywood vem fazendo filmes que tem a intenção de incutir
no senso comum da sociedade o "fim" da sociedade ocidental "capitalista". 
Mas, o que de concreto o marxismo está fazendo para que esse desejo se torne realidade?

Em vista dos últimos acontecimentos mundiais comecei a vislumbrar qual pode ser essa estratégia...
Um artigo de Delfim Neto na Folha de S.Paulo, que coloco no final, também contribuiu para a formação dessa idéia.

Me parecem que dentre outras menores duas se destacam bem a frente das demais, são elas:

1. O apoio financeiro, de marketing e militar  a “rebeldes” que possam tomar o poder em nações, digamos, do “terceiro mundo”, e que com isso possam fazer surgir enormes antagonismos na nação e na região, ou seja, “lutas de classe” em escala nacional.
O principal exemplo disso é a “primavera árabe’, amplamente apoiada pela mídia ocidental e por nações ocidentais dominadas por “progressistas”, como o EUA e a França.

"rebeldes"
Ao lado dos rebeldes um dos grupos mais atuante é a Al-Qaeda!

A tomada do poder pelos “rebeldes” claramente não vai levar a democracia como foi e é propagado pela mídia, vai levar a implantação de repúblicas islâmicas radicais, e que, depois de estabelecidas, partirão em bloco para um confronto final contra Israel, o que levará o mundo a uma guerra sem procedentes, inclusive a uma guerra nuclear, pois até lá o Irã já terá feito a sua bomba nuclear.
Israel - não será mais defendido pelo EUA, Obama está tentando estreitar relações de amizade com o Irã - e com certeza Israel será finalmente "varrido do mapa" pelos árabes, após esta vitória, esperam os “progressistas”, a agora poderosa nação árabe islâmica se voltará contra outras regiões infieis, o caos estará implantado no mundo.
Este sempre foi e sempre será o maior objetivo do marxismo!

Nação árabe


2.  O aumento contínuo da dívida interna das nações, um teste já foi feito na Grécia, Espanha, e Portugal, comandadas por socialistas e que foram a falência devido ao aumento de suas dívidas internas.
Os socialistas fizeram um teste com o euro

 Essas falências provocaram o caos na Europa por vários anos e a Europa ainda não conseguiu se livrar de seu maléfico efeito.

A desculpa para o aumento da dívida é sempre a ajuda aos menos favorecidos como está sendo feito no EUA onde Obama quer aumentar a já monstruosa dívida de 14 TRILHÕES DE DOLARES para custear a aquisição de planos médicos pelos pobres, em geral imigrantes latinos, que não tem condições de terem o plano, então, o governo “progressista” de Obama vai dar a eles, uma parte dos fundos será oriundo do aumento da dívida e a outra parte da cobrança de impostos “dos mais ricos”.

A intenção por trás das boas ações dos "progressistas'

No Brasil os “progressistas” no poder não param de aumentar a já enorme dívida interna de 2 TRILHÕES DE REAIS e que já compromete 48% do orçamento da nação para pagamento de juros e rolagem dessa dívida.

No Brasil não existem opositores a esse objetivo, no EUA os republicanos estão tentando parar essa ação mas estão sofrendo o avassalador ataque da mídia totalmente dominada por “progressistas’.
Me parece que a luta dos republicanos já está perdida, a não ser que eles partam para uma outra “guerra da secessão”, agora entre “liberais” x “conservadores”.

Desta forma, o marxismo “cultural’ tomou conta da situação na maior nação do mundo!
E se... eles conseguirem levar o EUA a falência eles levarão todo o mundo a falência!
E o tão odiado por eles “sistema capitalista” finalmente entrará em uma crise mundial sem precedentes que levará ao total caos todas as nações do mundo!

É exatamente isso que os marxistas sonham que aconteça a 160 anos!


E qual seria esse "outro mundo" ?
Bom... isso jamais foi dito por nenhum socialista ou marxista!
Jamais os revolucionários que querem destruir a sociedade que existe atualmente 
disseram que tipo de sociedade melhor que atual eles colocariam no lugar!
Para Karl Marx, como ele escreveu no "Crítica ao Programa de Ghota", 
a única coisa que existiria após a tomada do poder seria a  "ditadura do proletariado".


***


Artigo de Delfim Neto

30/10/2013 - 03h00
Dívida/PIB

Pesquisas empíricas recentes mostram que os efeitos das "incertezas" sobre o comportamento da economia são mais graves do que se supunha. Alteram, inclusive, a natureza e a qualidade da resposta dos agentes às políticas fiscal e monetária.

Os fatos sugerem que a reação aos desequilíbrios fiscal e monetário tem que ser muito mais pronta, energética e agressiva quanto maior forem as incertezas que os cercam.

Por um lado, em condições normais de pressão e temperatura, elas são parte inerente da economia de mercado, uma vez que as flutuações são ínsitas ao seu funcionamento e, frequentemente, são acentuadas pela ciclotimia dos próprios agentes econômicos, que tendem a um comportamento imitativo: a um eventual excesso de "otimismo" segue-se, sempre, um excesso de pessimismo. Por outro, as "incertezas" são maiores ou menores na justa medida em que há uma "confiança" recíproca maior ou menor entre o poder incumbente e os agentes econômicos.

Estamos terminando 2013 com um importante grau de incerteza, mas com os seguintes resultados (que, se não são brilhantes, não são desastrosos diante das dificuldades da economia mundial): 1) crescimento do PIB em torno de 2,7%; 2) taxa de inflação ligeiramente abaixo de 6%; 3) robusto deficit em conta-corrente da ordem de 3,6% e uma relação dívida bruta/PIB parecida com 60% do PIB. Há, entretanto, desconforto com alguns controles de preços (inflação reprimida) e com a relação dívida/PIB, não só pelo seu tamanho, mas pelas perspectivas de seu crescimento, apesar de ela ser, basicamente, em reais.

Num prazo mais curto, dois eventos preocupantes a ameaçam: 1) a aprovação, por expressiva maioria na Câmara dos Deputados, da negociação das dívidas de Estados e municípios, que, além de violar seguramente o "espírito" (e talvez a letra) da Lei de Responsabilidade Fiscal --o instrumento fundamental da nossa estabilidade--, estimula o aumento do endividamento dos entes federados; 2) a aprovação, no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias, de dispositivo que, implicitamente, dá início à concretização do "Orçamento impositivo". Sem uma regulamentação adequada de como se fará a estimativa da receita do Orçamento, ele terminará em tragédia.

São fatos como esses, contra os quais não se vê um sério engajamento do Executivo para mostrar à sociedade suas consequências no longo prazo, que têm chamado a atenção das desastradas agências de rating, do FMI, da OCDE e do Banco Internacional de Compensações (BIS), e podem levar a um rebaixamento da nossa classificação soberana. Isso poderá ter consequências dramáticas, sobretudo se coincidir com a redução dos estímulos monetários nos EUA.


***


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Socialistas, comunistas e esquerdistas em geral, usam a muitos anos a tática de difamação contra pessoas que os impedem de assumir o poder e implantar a ditadura socialista, essa ação consiste em difamar continuamente a vítima com a criação de mentiras, chacotas, apelidos, escárnio, ações na justiça nunca comprovadas, e toda sorte de injurias, no Brasil a maior vítima dessa ação (criada pelos corruptos do "mensalão") é Maluf, e na Itália é Berlusconi.



Na Folha de S.Paulo de hoje saiu o seguinte artigo de Clovis Rossi.

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2013/10/1351043-o-bufao-berlusconi-ultimo-ato.shtml

03/10/2013 - 03h17
O bufão Berlusconi, último ato?

Eugenio Scalfari, notável jornalista italiano, criador de "La Repubblica", compara Silvio Berlusconi a Macheath, elegante anti-herói da "Ópera dos Três Vinténs", de Bertolt Brecht, um marginal cercado de mendigos, ladrões, prostitutas e vigaristas.
Parece ofensivo, mas colocar Berlusconi como personagem de um gênio como Brecht é dignificar um bufão que transformou a política italiana em horror tamanho que faz parecer virtuosa a política brasileira.
Menos mal que Berlusconi tenha perdido, ontem, o seu mais recente desafio às instituições italianas, ao se ver abandonado por seus próprios parceiros de sempre na tentativa de derrubar o governo do centro-esquerdista Enrico Letta.
O até então inoxidável líder da direita ameaçava retirar o apoio do seu grupo (o PdL, Povo da Liberdade) se não fosse mantido no Senado, apesar de condenação irrecorrível por fraude fiscal.
Neste ponto específico, a regra italiana é melhor que a brasileira. A lei impede que um condenado por sentença definitiva, caso de Berlusconi, permaneça como parlamentar. No Brasil, o Congresso tem a última palavra --e pode ser a pior palavra, como se viu no caso Natan Donadon.
Volto a Berlusconi: pela primeira vez na história de suas aventuras políticas, um punhado de fiéis se rebelou e resolveu contrariar a ordem do chefe de votar contra o governo de que eles próprios fazem parte.
À primeira vista, é fim do percurso para Berlusconi. "Perdeu o bastão de comando, a possibilidade de personificar o passado, o presente e o futuro da direita italiana", diz Ezio Mauro, chefe de redação do "La Repubblica".
Tomara que seja assim, mas não é prudente esquecer que Berlusconi "chega ao fundo da psique italiana", na avaliação de Martin Sorrell, mago da comunicação, da WPP (maior grupo mundial de agências de publicidade e comunicação).
Só assim se explica a sobrevivência do magnata na primeira linha da política italiana, durante os últimos 20 anos.
Berlusconi tem um ponto de contato, no Brasil, com Paulo Salim Maluf: ambos foram sitiados permanentemente por uma catarata de denúncias e processos judiciais.
E é aí que dá para dizer que, no Brasil, as coisas são menos sombrias: primeiro, Maluf, ao contrário de Berlusconi, jamais foi definitivamente condenado.
Segundo, jamais chegou ao posto máximo da República. O político italiano, ao contrário, foi três vezes eleito presidente do Conselho de Ministros.
E, nas duas vezes mais recentes, usou o cargo para tentar blindar-se do que considera perseguição judicial, em vez de administrar.
A solidão em que acabou ficando Berlusconi em seu próprio partido talvez dê margem ao surgimento de "uma direita moderna", que não seja, como o PdL, "cesarista e populista", torce Ezio Mauro.
Mas a herança deixada pelo mais recente período Berlusconi é, esta sim, maldita: de 2008 a 2012, a Itália perdeu 6% de seu PIB (Produto Interno Bruto). Sua derrota retira o componente burlesco da crise econômico-social, mas não a resolve.



A isso ai seguiu-se uma série de comentários, típicos, que coloco a seguir sem mencionar nomes.
Obs. Os comentários começam de baixo para cima.



Viva Berlusca. Estou certo que ele vai dar a volta por cima e voltar nos braços do povo. Este mundo pertence aos bann hdidos
.
Discordo. O mundo não! Alguns países.
.
Que sorte a dos italianos,vendo o seu bufão afastando-se do palco,enquanto por aquiuma criatura histriônica recusa´se a abandonar a ribalta...
.
Ôba. Acertei em cheio.
.
Que fique esclarecida a identidade do bufão doméstico : é o Rasputin do ABC...
.
Quet tal Lu la?
.
OK. Então FHC?
.
F.. O Ser ra, com todos os seus defeitos, não me parece histriônico, Mas deveria afatar-se da política.
.
JoséSerra?
.
Qual delas? Rs.
.
Berlusconi, o bufão-mor da política italiana, truão do melodrama patético que sempre foi a direita-boçal no poder. O mundo inteiro riu ou teve pena deste personagem que se achava Napoleão na estratégia, Mussolini na política e Thatcher na economia. Não passa de demente.
.
E o Maluf tem ainda uns incríveis 17% se não me engano. A popularidade do Berlusconi não entendo. Deve ser, talvez, por causa dos péssimos governos que o precedaram. E talvez também um pouco de saudade do duce.
.
Agora, imagine metade ou mais dos brasileiros votando, amando, defendendo e enaltecendo Maluf. Eis o retrato da Itália.
.
Ok. Mesmo assim, soube se beneficiar das oportunidades. Qualquer semelhança com Sarney ou Maluf é mera coincidência. Rs.
.
Bom dia P., área privada em que sentido? Esfera privada? Um cara rico e senil que gosta de sacanagem com marafonas de todas as idades (nada contra se não fosse ou tivesse sido representante mais alto do governo italiano). Área privada econômica? Ele sempre se aliou a políticos corruptos (Craxi - PSI) para conseguir contratos e licitações milionárias até ser rico o bastante para se lançar à política com apoio da máfia e dos setores mais retrógrados da Itália.
.
Olá, F.. Infelizmente, o meu comentário está na moderação. De qualquer modo, concordo com tudo que você escreve. Só não sei como este bufão conseguiu se tornar na área privada o que ele é. Talvez porque a centro-esquerda e a esquerda italianas são uma lástima.
.
E por incrível q pareça tem pessoas q defendem o Berlusca neste fórum.
.
Berlusconi pagliaccio só teve sucesso político na Itália por causa da incompetência da centro-esquerda italiana. A analogia com Salim é pertinente. Ambos são bufões. Ambos gostam de meninas menores de idade. Ambos cometeram ilícitos. No caso de Berlusconi, sonegação e suborno. Em termos de desvio de dinheiro público, Salim está anos luz à frente. E por mais morosa que seja a justiça italiana, Berlusconi foi condenado. Salim que tem uma folha corrida criminal, não. E não será.
.
O único jornal estrangeiro que , hoje em dia, eu ainda leio regularmente, e do qual não abro mão é a NZZ.
.
Exagera. Somos insuperáveis.
.
Clóvis Rossi, em sua coluna de hoje, assim o define: "...um bufão que transformou a política italiana em horror tamanho que faz parecer virtuosa a política brasileira".
.
Enzo Biagi e outros "independentes" foram afastados por não seguir a linha editorial ditada pelo chefe. O jornal continua bom, mas jamais desce a lenha no chefe. Digamos que é.... chapa branca. Para ler algo (soft) contra Berlusconi vc deve ler La Repubblica. Digo soft pq se a Repubblica ousar denunciar algo hard, Berlusconi (dono da maior agência publicitária italiana MEDIASET) desvia toda a publicidade em outros jornais mais... alinhados.
.
Não sei como é o Corriere hoje em dia, mas quando estudante eu o lia assiduamente. Era excelente com os melhores jornalistas italianos escrevendo nele.
.
Quanto ao sucesso empresarial tentei responder logo acima, em outro post.
.
O Corriere della Sera pertence ao grupo controlado por Berlusconi.
.
Continuo achando um mistério o sucesso empresarial deste elemento. Quanto à liberdade de imprensa, creio que na Itália sempre houve e há ainda outras fontes de informação idôneas. Estou um pouco desatualizado, mas anos atrás o Corriere della Sera era um periódico bom. Importante é que ele foi condenado o que não acontece aqui.
.
Teve um momento (não me recordo em que anos) que Berlusconi, além de possuir os maiores jornais, periódicos e editoras da Itália, controlava quatro TVs privadas no conglomerado que dirigia + quatro TVs abertas estatais como primeiro ministro. Em suma, uma lavagem cerebral direta no povo italiano por anos a fio. Nestes veículos só passava notícia BOA (dele). Notícia ruim? Era censurada. Depois falam de liberdade de imprensa.
.
O mais fiel e representativo líder da direita atual.



Depois disso ai eu coloquei meu comentário (3 posts).

"Tanto a designação de "Macheath" como de "bufão" feitas a Berlusconi são coisas de gente despeitada e invejosa que não tem argumentos plausíveis e honestos para atacar quem não gostam e passam para a ofensas pessoais e apelidos idiotas..
Tenho cidadania italiana e voto em Berlusconi, por que?..
Porque na Itália a alternativa são os corruptos comunistas que mantém a Itália a décadas empacada em luta ideológica.."

"Berlusconi é filho de uma dona de casa e de um empregado de banco, ele fez fortuna com seu trabalho e competência, e seu sucesso inspira a inveja e o despeito em muitos, em especial dos incompetentes socialistas que não vivem sem a ajuda do estado...
Berlusconi é um dos baluartes na Itália que até hoje conseguiram impedir que a Itália seja transformada e um país socialista."

"PS. Se ele gosta de mulheres, sejam de que tipo forem, ótimo! Pior são os que tem medo de fazer o que gostariam de fazer com sexo e passam pela vida se remoendo de raiva de quem tem coragem e dinheiro para ir fazer o que gosta."


Vamos acrescentar mais alguma coisa.

Antes, uma informação oportuna.
Eugenio Scalfari, citado por Clovis Rossi, já foi deputado pelo partido socialista italiano, é só mais um "jornalista" militante socialista italiano.
Benito Mussolini, o "Duce", também citado nos comentários, fez toda a sua carreira política como militante do partido socialista italiano, só quando assumiu o poder foi que ele inventou o "fascismo".

Alguns que comentaram parecem não entender tanto a popularidade de Maluf como a popularidade de Berlusconi....
Mas, é simples para entender.
Maluf por exemplo, ele foi prefeito depois de Erundina e a ele sucederam Marta e Serra.
Maluf teve o mesmo valor de orçamento de Erundina e menos da metade do orçamento de Marta e Serra, entretanto, Maluf fez mais obras que todos os três somados !

Os lúcidos do mundo conseguem ver essa verdade, os alienados do mundo não conseguem, tem a mente facilmente dominada pela maledicência de gente corrupta como os que montaram a maior rede de evasão de dinheiro público que se tem notícia, o mensalão.
Foi o pessoal do mensalão que difamou Maluf.
E é por isso que Maluf tem 700 mil paulistas que confiam nele !


Da mesma forma é na Itália, a Itália, desde Gramsci, é infestada de comunistas fanáticos e corruptos, Benito Mussolini fez toda a sua carreira política como militante do partido socialista italiano e só depois que tomou o poder inventou o fascismo.

A justiça italiana foi dominada por  esquerdista, tais corruptos acusaram Berlusconi de crimes que não provaram adequadamente, o "crime" mais lembrado de Berlusconi é ter, supostamente, saído com uma menor de idade, os socialistas italianos já cometeram muito mais crimes que Berlusconi, mas, não são acusados de nada, a anos eles tentam condenar Berlusconi e assim conseguir tira-lo da política para que possam ficar livres para cometerem seus abusos e tentarem implantar o socialismo na Itália.

E aqui no Brasil, terra infestada de alienados esquerdistas, em especial na imprensa escrevendo suas maledicências, muitos aplaudem essa sua condenação, que espero Berlusconi se livre dela e continue a impedir que a baderna socialista corrupta tome o poder na Itália.


***



Notícia na Folha de S.Paulo


Justiça italiana absolve Silvio Berlusconi pelo caso Ruby
DA AFP

18/07/2014 09h04 - Atualizado às 14h20

A Corte de Apelação de Milão absolveu nesta sexta-feira o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi da condenação a sete anos de prisão por prostituição de menores e abuso de poder no chamado 'caso Ruby'.
Os três integrantes da corte deliberaram por três horas e decidiram "absolver" o magnata dos meios de comunicação porque o "fato não constitui um delito", anunciou o juiz Enrico Tranfa.
Como em outras ocasiões, Berlusconi, de 77 anos, não estava presente, pois cumpre desde 9 de maio a sentença de meia jornada com os pacientes de Alzheimer do Centro de Assistência de Cesano Boscone, na região de Milão, estabelecida pela justiça.
.....

Comentário.

Berlusconi, mais uma vez, é inocentado das maledicências inventadas contra ele pelos socialistas italianos.


***
 

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O que deu as mulheres maior emancipação, as feministas com seus protestos e "lutas", ou os empresários empreendedores com as invenções utilitárias ?


O assunto do título sempre me chamou a atenção e despertou a motivação para fazer uma análise sobre ele.
Vejamos uma notícia recente e algumas informações sobre o tema específico de violência em geral, não só contra a mulher.


BBC Brasil
Lei Maria da Penha não teve impacto sobre homicídios, diz Ipea

Atualizado em  25 de setembro, 2013 - 10:04 (Brasília) 13:04 GMT

Segundo Ipea, uma mulher foi assassinada a cada meia hora entre 2001 e 2011.
Um estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) concluiu que a lei Maria da Penha – que endureceu as punições para quem pratica violência contra a mulher – não teve impacto no número de assassinatos de mulheres decorrentes de conflitos de gênero no Brasil.
A lei entrou em vigor em 2006 como uma tentativa de facilitar a punição de autores de violência doméstica.
....

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/09/130924_ipea_mulheres_lk.shtml


Estudo do CNM
http://www.campanhapontofinal.com.br/download/topo-pesquisa.pdf

Quantidade de homicídios no Brasil.

Ano
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Homicídios de homens

41.585 44.040 45.775 47.082 44.519 43.665 45.060 43.886 46.024 45.746

Homicídios de mulheres
3.743 3.851 3.867 3.937 3.830 3.884 4.022 3.772 4.023 4.163

População carcerária brasileira

O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, sendo:
515 mil homens - 93% do total.
35 mil mulheres - 7% do total.



Comentário:

Estas três informações nos mostram que:

1. As leis podem não funcionar, como é o caso da lei Maria da Penha que não conseguiu sucesso em seu objetivo, os responsáveis deram algumas desculpas, mas, a verdade é que foram gastos muitos esforços e não atingiram o objetivo, e nada garante se mais esforços e dinheiro forem colocados nisso que vai melhorar.

2. Do jeito que a informação é muitas vezes colocada na midia fica parecendo que no total de homicídios é a mulher a maior vítima, mas, não é o caso, homens também são vítimas de homicídios no Brasil e em muito maior quantidade que mulheres, o assassinato de homens é muito maior do que o de mulheres como vemos na tabela acima, não importa o local onde os homicídios ocorrem... o que importa é que eles ocorrem, e não deveriam ocorrer em tamanha quantidade.

3. A terceira informação mostra que também existem mulheres que cometem crimes, e a porcentagem de mulheres criminosas vem aumentando, uma coisa que deveria ser estudada.


Mas, vamos ao tema do título.

O feminismo surgiu com o progresso econômico, com menos dificuldades para viver, com vidas mais longas devido a melhoria de qualidade de vida que o sistema de livre comércio trouxe para a humanidade sobrou tempo para protestar e para que existissem muitos "intelectuais" que nada mais fazem que produzir palavras e ideologias.
O grande problema do feminismo é que ele em vez de apenas buscar melhorias para as mulheres ele foi ocupado por ideologias que querem destruir a sociedade democrática e implantar o socialismo no mundo.
Hoje em dia grande parte das entidades feministas tem por trás delas "intelectuais" do marxismo "cultural' que viram no feminismo uma ótima oportunidade para criar "lutas de classes" artificiais dentro das sociedades democráticas e com isso tentar solapar a ordem institucional democrática.
Só nas nações com o sistema liberal e democrata existem feministas, em países socialistas como Cuba, Coréia do Norte, na antiga URSS, etc, jamais feministas puderam fazer seus protestos.
O principal objetivo do marxismo "cultural" ao encampar o feminismo foi e é atingir a família centrada na moral judaico-cristã uma das bases da sociedade ocidental que o marxismo quer destruir.

Desta forma, com a dominação do feminismo pelo marxismo "cultural" o feminismo se converteu em um elemento de "luta", luta contra a sociedade, essa ação se manifesta na forma de protestos de rua, manifestações das mais diversas formas que principalmente visão chocar as pessoas, e na criação contínua de leis que nunca funcionam.

Essa ação se alastrou pela sociedade ocidental e hoje em dia foi praticamente institucionalizada e a sociedade pouco pode fazer contra sua ação.

Os símbolos que tomaram conta do feminismo são a prova que ele se tornou uma ideologia e a muito deixou de representar os anseios das mulheres por emancipação.


Com isso, direcionando o assunto para o tema do blog, podemos perguntar - quais foram os reais benefícios que essa ação feminista-marxista conseguiu trazer para as mulheres ?

Eu não consigo achar nenhuma.

A lei Maria da Penha é uma das coisas advindas dessa ação e que como ficamos sabendo pelo último levantamento do IPEA não mudou em nada a violência contra a mulher.

Na minha opinião, quase um século de ação feminista no mundo nada trouxe de bom para a real emancipação das mulheres.

O que realmente trouxe grandes benefícios para as mulheres e deu a elas formas de emancipação verdadeiras foram as grandes inovações tecnológicas e que visaram em larga escala melhorar a vida e o trabalho caseiro das mulheres, e essa melhoria foi conseguida com grande sucesso!


Estas coisas com toda a certeza ajudaram muito na emancipação das mulheres

A invenção da máquina de lavar roupa e da pílula anticoncepcional deram as mulheres uma emancipação que 100 anos de protestos feministas não conseguiram dar!



A pílula anticoncepcional foi feita por empreendedores "capitalistas" e trouxe para as mulheres um benefício de enorme valor.

Tais coisas que vieram facilitar enormemente a vida das mulheres tiveram origem no sistema de livre mercado liberal que dá oportunidade aos empreendedores de produzirem coisas boas para as pessoas usarem, coisas que as pessoas passam a usar e com isso tornam o dia-a-dia menos complicado.

Tias invenções foram produzidas pelo Liberalismo e pela Democracia que deram aos talentosos a chance de produzirem coisas valiosas para uso de toda a população, como é o caso da máquina de lavar roupas e mais recentemente do telefone celular, esse sistema liberal que trouxe melhoria da vida para a humanidade é denominado pelas ideologias que querem destrui-lo por "capitalismo", essa é uma palavra de cunho ideológico usada apenas para denegri-lo e que não descreve a sua estrutura, é uma palavra para ser gritada com ódio pelos inimigos da progresso e da democracia - o socialismo marxista.

Vejamos algumas outras coisas que foram produzidas pelo sistema liberal de livre comercio, o Liberalismo, que trouxeram igualmente grandes melhorias na qualidade de vida das pessoas em geral e das mulheres em particular.


O cheveiro e o chuveirinho truxeram para as mães uma grande facilidade no banho das crianças pequenas, antes deles o banho era dado em bacias grandes onde a água precisava ser esquentada no fogão, no inverno esfriava rapidamente, precisava por duas águas, uma para lavar com sabão e outra limpa para enchaguar, tudo isso ficou no passado - para a felicidade das mães!

Antes da batedeira elétrica as donas de casa para fazer um bolo ou qualquer outra comida que precisasse bater tinham que bater na mão, usavam uma tijela grande e uma colher de pau grande, era trabalhoso, o braço doia, e para ficar no ponto demorava, um trabalho cansativo e demorado, com a batedeira ficou muito mais fácil para a dina de casa fazer um bolo!

COZINHAS DE ANTIGAMENTE







COZINHAS MODERNAS



As cozinhas modernas, produzidas pelas industrias "capitalistas" trouxeram para as famílias grande conforto e facilitaram muito o trabalho da mulher dona de casa.



O fogão elétrico ou a gás ao lado da máquina de lavar foram os grandes benefícios que os empreendedores "capitalistas" trouxeram para as mulheres, antes do fogão a gás existia o fogão a lenha, a dificuldade para acender o fogo, a fumaça, as cinzas que se espalhavam, eram trabalho estenuante para a dona de casa, com o novo fogão cozinhar ficou uma tarefa muito mais fácill!

Pequenas coisas de grande valia!
Fraldas descartáveis, uma enorme ajuda para as mães no trato com os bebes.

A geladeira não foi só útil para as mulheres, foi útil para a humanidade!
Com ela os alimentos puderam ser conservados e muitas doenças foram evitadas, a saúde das pessoas melhorou muito.
Antes das mercadorias que melhoraram a vida das pessoas os seres humanos viviam em média bem menos, muitas doenças matavam milhares de pessoas, com as geladeiras, dentre outras coisas, as doenças provenientes de alimentos sem conservação diminuiram e a qualidade de vida das pessoas aumentou.



O progresso econômico trazido pelo Liberalismo ("capitalismo" para socialistas e marxistas) propiciou que as mulheres tivessem acesso a tratamento específico a sua natureza, o ginecologista surgiu para cuidar das problemas femininos, isto em nada dependeu dos protestos de feministas... dependeu apenas do talento dos empreendedores e cientistas que criaram com seu trabalho as condições práticas e efetivas para que isso fosse possível.
As próprias mulheres se tornaram ginecologistas e passaram a cuidar de outras mulheres.

Lavadora de pratos, uma opção para as famílias grandes não terem que lavar grandes cozinhas do almoço.

Hoje em dia a caixinha de leite parece coisa corriqueira e sem importância... mas, ela é de fundamental importância para a saúde das pessoas e em especial das crianças.
Quando elas não existiam o leite era entregue em baldes ou em litros de vidro, o leite não era pausterizado e continha muitas impurezas que causavam doenças, era necessário ferver o leite para poder consumir, exigia todo um trabalho cuidadoso da dona de casa, hoje tudo é fácil, é só pegar no supermercado e usar.


O liquidificador é outro utilitário que facilitou a vida da dona de casa, antes dele os alimentos precisavam ser amassados com garfo usando a força do braço.
Macarrão pronto, parece coisa corriqueira também.... mas, antes dele as dona de casa se quisessem fazer macarronada tinham que amassar farinha e fazer o macarrão manualmente, e quem já fez isso sabe o trabalho que isso dá!

A manteiga de antigamente precisava de um demorado processo para poder ser consumida, as donas de casa despendiam um demorado trabalho para conseguir ter manteiga para consumo da fam´lia, hoje em dia isso não é mais necessário, as industrias "capitalistas" fazem esse serviço para as donas de casa.



A industrialização dos alimentos foi também uma enorme contribuição para a emancipação das mulheres, o marmitex e os alimentos industrializados possibilitam a mulher trabalhar fora e não se preocupar em fazer comida, ela tanto pode levar marmitex para o almoço ou pode apenas colocar alimentos industrializados no micro-ondas e consumir imediatamente.









Todas as coisas que mostramos acima vieram a trazer as mulheres grande benefício e colaboraram decisivamente para a emancipação delas!
Tudo isso em nada dependeu dos protestos de feministas... dependeu apenas do trabalho dos empreendedores que criaram tais coisas.


E por último a grande liberalização das mulheres - o carro!
As mulheres adoram seu carro!
Sem dúbida elas tem toda a razão, os homens também adoram seus carros!


Esta é uma colaboração minha, a todos, homens e mulheres, a intenção deste trabalho é mostrar que a "luta" feminista, na verdade uma "luta de classes" marxista, ideologia,  nada trouxe de bom para a humanidade, "lutas" nada resolvem, o que resolve é muito trabalho inteligente e que possa trazer real utilidade para a melhoria da vida de todos, homens e mulheres, sem antagonismo entre homens e mulheres, pois afinal, um não vive sem o outro!


***